Freguesias de São Pedro e de São Sebastião em alto risco a partir de amanhã
Rita Frias

Freguesias de São Pedro e de São Sebastião em alto risco a partir de amanhã

Previous Article Previous Article Avaliação bancária da habitação nos Açores baixou em Fevereiro
Next Article Quota para captura do atum rabilho está à beira de se esgotar Quota para captura do atum rabilho está à beira de se esgotar

Registaram-se 9 novos casos de Covid-19, nas últimas 24 horas nos Açores, resultantes de 1.765 análises realizadas nos laboratórios de referência na Região e uma em laboratório privado.
Todos os casos foram diagnosticados na ilha de São Miguel, em contexto de transmissão comunitária, sendo 8 no Concelho de Ponta Delgada (três na freguesia de São Pedro, um em São José, um em São Sebastião, um no Livramento, um nos Arrifes e um em São Vicente Ferreira), e um no Concelho da Ribeira Grande (na freguesia da Ribeira Seca).
No que se refere ao número de recuperações, foram registadas oito, todas em São Miguel: duas em Ponta Delgada (na freguesia dos Arrifes), 3 na Ribeira Grande (na freguesia de Rabo de Peixe) e 3 na Lagoa (na freguesia do Rosário).
O número de doentes internados mantém-se, treze, no Hospital Divino Espírito Santo em Ponta Delgada, permanecendo um em Unidade de Cuidados Intensivos. Relativamente ao número de vigilâncias activas, este é de 799.
Até ao dia de ontem, os Açores registam 125 casos positivos activos, 124 na ilha de São Miguel (16 no Concelho da Lagoa, um no Nordeste, 91 em Ponta Delgada, dois na Povoação, três em Vila Franca do Campo e 11 na Ribeira Grande) e um caso positivo activo na ilha Terceira (no Concelho de Angra do Heroísmo). 
Desde o início da pandemia foram diagnosticados 4.117 casos positivos de Covid-19 nos Açores, tendo recuperado da doença 3.855 pessoas. Faleceram 29 pessoas, saíram da do arquipélago 67 e 41 apresentaram prova de cura anterior. Foram extintas 199 cadeias de transmissão local.  
Já foram realizadas 382.020 análises para despiste da Covid-19 na Região. Entre os dias 31 de Dezembro passado e 24 de Março (Quarta-feira), 40.451 pessoas com 15 ou mais anos foram vacinadas no arquipélago (27.109 com a primeira dose e 13.342 com a segunda dose) no âmbito da primeira fase do Plano Regional de Vacinação.  É de referir que o novo portal de vacinação já recebeu de 1.500 açorianos após uma semana do seu lançamento.

Concelhos da maior ilha açoriana com diferentes níveis de risco

Berto Cabral, Director Regional da Saúde, e Gustavo Tato Borges, Presidente da Comissão de Acompanhamento da Luta contra a Pandemia na Região, anunciaram ontem, em conferência de imprensa, novas medidas para a ilha de São Miguel a partir das 00h de amanhã. De relembrar que as medidas são aplicadas conforme o nível em que se encontra cada zona. A ilha de São Miguel surge com níveis de Muito Baixo Risco para os concelhos da Lagoa, Nordeste e Povoação; Baixo Risco para Ribeira Grande e Vila Franca e Médio Alto Risco para o Concelho de Ponta Delgada, que registava ontem 91 casos positivos activos. No entanto, duas freguesias do maior Concelho açoriano estão no nível de Alto Risco, nomeadamente São Pedro e São Sebastião (devido à proximidade). Todos os concelhos das restantes ilhas do arquipélago apresentam níveis de Muito Baixo Risco. 

Alto Risco em São Pedro e São Sebastião

Para as freguesias de São Pedro e de São Sebastião, em Ponta Delgada, aplicam-se medidas mais restritivas: regime de teletrabalho nas actividades e funções em que o mesmo seja exequível, para os profissionais que sofram de alguma patologia que constitua comorbilidade de risco ao vírus SARS-CoV-2, certificada mediante avaliação fundamentada pela medicina do trabalho ou, na falta desta, por declaração passada por médico assistente que expresse, justificada e claramente, a necessidade da aplicação do regime de teletrabalho para o trabalhador, bem como para um dos progenitores de crianças até aos 12 anos de idade que estejam em regime de ensino à distância ou em creches, jardins de infância e ATL encerrados, desde que o requeira; No caso de não ser possível a implementação do teletrabalho, é recomendado o desfasamento de horário; encerramento de todos os estabelecimentos de restauração, bebidas e similares às 15:00 horas, com a limitação que, durante o período de funcionamento, a capacidade máxima por mesa é de quatro pessoas, salvo se pertencerem ao mesmo agregado familiar, respeitando uma lotação máxima de um terço da capacidade do estabelecimento em causa; a partir das 15:00 horas e até às 22:00 horas, os estabelecimentos de restauração, bebidas e similares só podem funcionar em serviço de entrega ao domicílio e take away, com excepção do fornecimento de refeições a hóspedes de estabelecimentos hoteleiros ou similares por parte dos respetivos serviços de restauração; mantêm-se o encerramento de creches e ATL; proibição da circulação pedonal, automóvel, motorizada ou similar, na via pública entre as 20:00 horas e as 05:00 horas do dia seguinte nos dias de semana e entre as 15:00 horas e as 05:00 horas do dia seguinte ao fim de semana; encerramento de toda a actividade comercial às 20:00 horas durante a semana e às 15:00 horas ao fim de semana, com exceção dos serviços críticos; encerramento de ginásios e piscinas cobertas, ficando proibidas as práticas desportivas nestes espaços; encerramento de casinos e de estabelecimentos de jogos de fortuna e azar; a realização de funerais, só podendo ocorrer até às 20:00 horas em dias de semana e até às 15:00 horas ao fim de semana.
Em declarações à Antena 1 Açores, ainda antes da conferência de imprensa, José Leal, Presidente da Junta de Freguesia de São Pedro, já aguardava por medidas mais restritivas relativamente ao confinamento da população e no que se refere ao funcionamento do comércio. As medidas aplicadas são aceites mas, no entanto, José Leal é contra uma cerca sanitária, dizendo que não se justificaria por vários motivos: o reduzido número de casos registados diariamente e por ser, também ,uma zona por onde passam milhares de carros, estando localizadas dezenas de instituições e serviços como bombeiros e universidade. 
Questionado ontem sobre a possibilidade de uma cerca sanitária na freguesia de São Pedro, Gustavo Tato Borges referiu que “todas as medidas foram equacionadas, incluindo a cerca sanitária”. Mas de momento, “é uma opção que não era necessária para já, esperando que a situação da maior ilha do arquipélago melhore”.

Guardas e reclusos da prisão de Ponta Delgada em isolamento

O Director Regional de Saúde fez ainda o ponto de situação relativamente ao Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada, havendo de momento dois casos positivos. Quatro reclusos e 18 guardas foram dados como contactos de alto risco, encontrando-se em isolamento profiláctico, bem como um funcionário. A outros 51 reclusos já foi levantado o isolamento profiláctico.

Realizadas 1.797 visitas domiciliárias em Rabo de Peixe

Face à situação pandémica que a Vila de Rabo de Peixe viveu, o Governo Regional criou equipas multidisciplinares compostas por técnicos de várias instituições, nomeadamente, da Segurança Social dos Açores, IPRA, da Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande, da Câmara Municipal da Ribeira Grande, e por enfermeiros da Unidade de Saúde da Ilha de São Miguel.
Esta medida teve como objectivo perceber de perto as necessidades da população. As visitas domiciliárias decorrem desde o dia 9 de Fevereiro, estando suspensas a partir de amanhã. Até Quarta-feira passada, dia 24, foram contabilizadas 1.797 visitas. “Durante este período, foi registada a atribuição de equipamentos de protecção individual a 106 famílias, 18 agregados familiares beneficiaram da aquisição de medicamentos e a atribuição de apoio do banco alimentar alcançou 63 famílias. As equipas estabeleceram uma relação de grande proximidade com a comunidade da Vila de Rabo de Peixe, desempenhando uma importante função de sensibilização junto da população para o cumprimento das medidas de prevenção e combate à pandemia.” Também no desempenho das suas funções, verificaram as condições habitacionais das famílias e do cumprimento do isolamento profilático/confinamento, “e procederam ao levantamento de necessidades básicas, quer ao nível de alimentação, medicação, dos equipamentos de protecção individual, e ao nível do accionamento do acompanhamento psicológico para agregados familiares”. Com o decorrer do tempo, “a intervenção foi sendo ajustada”, tendo sido elaboradas novos tipos de apoio como a atribuição de material escolar e a entrega das declarações de isolamento/confinamento aos agregados familiares. A população mostrou-se receptiva e cumpridora relativamente “às recomendações e orientações” que foram dadas, tendo valorizado e reconhecido também a importância do acompanhamento efectuado pelas equipas multidisciplinares, acompanhamento este “que constituiu um suporte para a população afectada pela pandemia e, simultaneamente, funcionou como uma acção pedagógica e informativa acerca das medidas sanitárias”.
Para Artur Lima, Vice-presidente do Governo Regional, “o trabalho desenvolvido por estas equipas surtiu os efeitos desejados”, tendo reconhecido “que a intervenção no terreno e com grande proximidade junto das pessoas foi a melhor forma que o Executivo encontrou para apoiar a comunidade da vila de Rabo de Peixe”. Acrescentou ainda que as equipas “merecem um reconhecimento público” visto “que foram inexcedíveis no cumprimento da sua missão, que foi plenamente cumprida, com sentido de responsabilidade e de serviço à causa pública”.

jornal@diariodosacores.pt

Share

Print
Ordem da notícia42

Theme picker