Comissão Europeia aprova apoio do Estado às empresas açorianas
Diário dos Açores

Comissão Europeia aprova apoio do Estado às empresas açorianas

Previous Article Previous Article Saúde ou SATA?
Next Article Eutrofização das Lagoas das Sete Cidades emite 31 toneladas de dióxido de carbono por dia para a atmosfera Eutrofização das Lagoas das Sete Cidades emite 31 toneladas de dióxido de carbono por dia para a atmosfera

A Comissão Europeia aprovou um apoio do Estado português de 35 milhões de euros para as empresas dos Açores afectadas pela crise da Covid-19 que mantiveram os postos de trabalho, uma ajuda em forma de subvenções directas.
Segundo a informação divulgada pelo executivo comunitário, esta é a terceira ajuda estatal de Portugal para manutenção do emprego na Região Autónoma dos Açores (após dois regimes em abril e em dezembro de 2020) aprovada no âmbito das regras mais ‘flexíveis’ de Bruxelas para as ajudas estatais, implementadas devido à pandemia de Covid-19.
Assumindo a forma de subvenções directas, o regime “estará aberto a empresas de todas as dimensões activas nos Açores, na condição de terem mantido postos de trabalho na região e de terem reembolsado os empréstimos anteriormente recebidos ao abrigo dos regimes que a Comissão aprovou”, explica Bruxelas.
Em concreto, “a ajuda só será concedida se o requerente puder provar que manteve, todos os meses até 30 de junho de 2021, uma certa proporção do nível de emprego em comparação com o nível registado em setembro de 2020”, acrescenta.
Previsto está que o montante máximo da ajuda não exceda os 750 mil euros por empresa singular ou um milhão de euros por grupo de empresas ou então que não ultrapasse o montante dos empréstimos recebidos a partir das linhas de crédito existentes.
“A Comissão verificou que o regime português está em conformidade com as condições estabelecidas no quadro temporário” e concluiu que “a medida é necessária, adequada e proporcional para sanar uma perturbação grave da economia de um Estado-membro”, adianta o executivo comunitário.
Em causa está o enquadramento europeu temporário para os auxílios estatais, adoptado em meados de março de 2020 e em vigor até final do ano, que alarga os apoios que os Estados-membros podem prestar às suas economias, normalmente vedados pelas regras concorrenciais da UE, traduzindo-se em empréstimos com garantias estatais, subvenções, entre outros.

Share

Print
Ordem da notícia78

Theme picker