Deputados do PS pedem que TAP regularize dívidas com passageiros de e para os Açores
Diário dos Açores

Deputados do PS pedem que TAP regularize dívidas com passageiros de e para os Açores

Previous Article Previous Article Nomeados os novos Directores Financeiro e de Recursos Humanos do HDES
Next Article Mais de 1.600 baixas médicas  num mês Mais de 1.600 baixas médicas num mês

Os deputados do PS/Açores à Assembleia da República entregaram ontem um requerimento no parlamento nacional a solicitar esclarecimentos ao Ministério das Infraestruturas e Habitação quanto ao montante em dívida que a TAP possui relativamente a passageiros que foram impossibilitados de realizar as suas viagens de e para os Açores. 
“Na sequência das notícias divulgadas e das denúncias que nos têm feito chegar, existirão dezenas de casos em que, apesar de assumir a obrigação, a TAP não está a regularizar em devido tempo os reembolsos aos passageiros que pagaram as suas viagens e não as puderam realizar devido a cancelamentos. Ora, esta situação é muito penalizadora para as famílias que aguardam há meses, e em alguns casos, há mais de um ano para que lhes seja pago o devido reembolso”, afirmou Isabel Almeida Rodrigues, que considerou que apesar de esta matéria se ter agravado com a pandemia da Covid-19, já ocorria ainda antes de a pandemia ser uma realidade, “nomeadamente em casos de cancelamentos ocorridos perto da hora do voo e em que os passageiros, legitimamente, optaram pelo reembolso da viagem”.
Os deputados eleitos pelo PS/Açores pretendem assim ver esclarecido e saber quantos casos estão reportados devido a cancelamentos de voo com viagens que tenham como origem ou destino os Açores nos últimos quatro anos, quais os montantes de reembolso por regularizar e quando pretende a empresa regularizar na totalidade os valores em dívida. 
“Todos compreendem a situação difícil em que se encontra o sector aéreo, mas esta situação, de meses e meses de atraso e de ausências de resposta às solicitações que os passageiros têm feito junto da empresa é totalmente inaceitável e deve ser resolvida o quanto antes. Até porque temos conhecimento de situações destas, prévias à pandemia, que também continuam por pagar”, concluiu Isabel Almeida Rodrigues.
 

Share

Print
Ordem da notícia88

Theme picker