Criado programa para melhorar qualidade de água do ilhéu de Vila Franca
Diário dos Açores

Criado programa para melhorar qualidade de água do ilhéu de Vila Franca

Previous Article Previous Article Atribuídos até 4.550 euros de incentivos para compra ou ‘leasing’ de veículos eléctricos
Next Article Açores com 14 novos casos de Covid-19 e 71 recuperados Açores com 14 novos casos de Covid-19 e 71 recuperados

O Governo Regional revelou ontem estar em curso um programa que visa a melhoria da qualidade da água balnear do Ilhéu de Vila Franca do Campo. 
O programa tem por base a acção concertada entre várias entidades, num grupo de trabalho que se irá reunir mensalmente para acompanhar as medidas em desenvolvimento e, se pertinente, propor ajustes ou a adopção de novas acções.
Este grupo de trabalho envolve a Direcção Regional dos Assuntos do Mar, o Parque Natural da Ilha de São Miguel, a Câmara Municipal de Vila Franca do Campo, o Clube Naval de Vila Franca do Campo, a Capitania do Porto de Ponta Delgada, a Direcção Regional das Pescas e a Delegação de Saúde de Vila Franca do Campo.
Em comunicado ontem divulgado, ao executivo salienta que o programa “surge da necessidade de promover o incremento da qualidade da água balnear face aos resultados desfavoráveis obtidos no ano passado. O Ilhéu é uma zona balnear emblemática, com a originalidade de se situar no interior de um vulcão submarino, um local de elevado valor ambiental e paisagístico, que importa preservar”.
“Por forma a avaliar as causas que possam originar a contaminação, está a ser desenvolvida uma campanha de Abril a Dezembro que vai monitorizar não só a qualidade da água na cratera como também no exterior e ainda a população de gaivotas e dos seus hábitos, nas zonas de nidificação e de alimentação”, revela ainda o executivo.
Paralelamente, deverão ainda ser implementadas “medidas para diminuir a contaminação fecal do ambiente e da água do mar, como sejam as relacionadas com a adequada gestão dos resíduos urbanos e das águas residuais, a higiene e limpeza dos espaços públicos, a diminuição da disponibilidade de alimento fácil para as gaivotas, a fiscalização do cumprimento de normas ambientais e a sensibilização da população para a adopção de boas práticas ambientais”.

Share

Print
Ordem da notícia52

Theme picker