Apenas 53 mil dormidas em Março nas unidades turísticas dos Açores
Diário dos Açores

Apenas 53 mil dormidas em Março nas unidades turísticas dos Açores

Previous Article Previous Article “Pela preservação da zona costeira de São Vicente Ferreira”
Next Article Sexta-feira, 30 de Abril de 2021 Sexta-feira, 30 de Abril de 2021

Segundo o Indicador de Turismo dos Açores, da autoria do SREA, as dormidas na Hotelaria Tradicional, no Turismo no Espaço Rural e no Alojamento Local durante o mês de Março de 2021 terão sido cerca de 53 mil.
Em relação a 2020 não é possível comparar porque foi o mês em que começou a pandemia e os confinamentos, praticamente sem turismo.
Se quisermos comparar com a pré-pandemia, Março de 2019 registou 165.622 dormidas, o que significa que este ano as unidades turísticas perderam 112.622 dormidas em Março. 
O Indicador de Turismo tem por objectivo a estimação antecipada do andamento económico do sector do turismo. 
Para esse fim, o número total de dormidas em alojamentos turísticos nos Açores é estimado e divulgado cerca de três semanas antes da publicação do destaque das Estatísticas do Turismo.
Na sequência das restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), desde meados de Março de 2020 a actividade do sector do turismo sofreu uma forte quebra, situação que presentemente afecta o movimento turístico nos Açores.

Açores e Madeira sem procura em 2020

No conjunto do ano de 2020 as viagens realizadas pelos residentes em Portugal decresceram 41,1% e atingiram um total de 14,4 milhões (+10,8% em 2019). 
As viagens nacionais diminuíram 35,7% e as viagens ao estrangeiro decresceram 78,1% (+9,0% e +24,7%, respectivamente, em 2019). 
O alojamento particular gratuito ganhou expressão como principal meio de alojamento utilizado (69,2%, +8,0 p.p. face a 2019) e o número médio de noites por turista nas viagens efectuadas aumentou 23,2% (de 5,45 noites em 2019 para 6,72 noites em 2020).
No 4º trimestre de 2020, os residentes em Portugal realizaram 2,3 milhões de viagens, o que correspondeu a um decréscimo de 57,4% (-26,7% no 3ºT 2020). 
As viagens em território nacional concentraram 97,4% das deslocações (2,3 milhões), revelando um decréscimo de 53,2%. 
As viagens com destino ao estrangeiro diminuíram 90,3%, totalizando 61,6 mil, correspondendo a 2,6% no total (2,5% no 3ºT 2020).
No conjunto de 2020, a região Centro continuou como a principal região de destino das viagens realizadas em território nacional, concentrando 32,4% do total (-0,6 p.p. face a 2019), seguindo-se a região Norte (21,8% do total; -0,7 p.p.). 
O Algarve foi a região que mais preponderância ganhou face a 2019 (+3,0 p.p.), tendo sido o destino de 16,1% das viagens nacionais, suplantando a Área Metropolitana de Lisboa (15,9% das viagens; -1,5 p.p.).
Açores e Madeira foram as regiões menos procuradas.
Em 2020, entre os principais países de destino no âmbito das deslocações ao estrangeiro, Espanha e França mantiveram a 1ª e 2ª posições, respectivamente, com 30,3% (-2,3 p.p.) e 16,1% (+3,8 p.p.) das viagens. 
O Reino Unido ascendeu à 3ª posição com 8,4% (+2,4 p.p.), lugar ocupado pela Itália em 2019 que desceu para a 6ª posição (5,5% face aos 6,2% registados em 2019). 
Entre as viagens realizadas ao estrangeiro, 79,4% tiveram como destino os países da União Europeia (+3,8 p.p. face a 2019).
 

Share

Print
Ordem da notícia60

Theme picker