Comissão Europeia aprova Alho da Graciosa com Indicação Protegida da UE
Diário dos Açores

Comissão Europeia aprova Alho da Graciosa com Indicação Protegida da UE

Previous Article Previous Article Não haverá romarias no próximo ano
Next Article Açores obrigados a devolverem 2 milhões de euros de fundos comunitários por incumprimento do anterior Governo Açores obrigados a devolverem 2 milhões de euros de fundos comunitários por incumprimento do anterior Governo

A Comissão Europeia aprovou ontem o aditamento do «Alho da Graciosa» ao registo das Indicações Geográficas Protegidas da União Europeia, aumentando assim para 228 o número de produtos portugueses protegidos pelos diferentes regimes de qualidade da UE.
O «Alho da Graciosa» é o alho cultivado na ilha de Graciosa e apresenta-se sob a forma de bolbos, no estado seco, de forma individual ou agrupados em réstias, cada um com um diâmetro de, pelo menos, 3 cm.
O «Alho da Graciosa» caracteriza-se pelo seu aroma de intensidade média/baixa e sabor intenso, muito agradável e com pouca persistência, devido não só às condições edafoclimáticas da ilha, mas também aos cuidados prestados pelos produtores ao longo dos anos.
Da sua composição química, destacam-se valores elevados de zinco (superiores a 7 mg/kg), ferro (superiores a 8 mg/kg); magnésio (superiores a 170 mg/kg) e alicina (superiores a 3 500 mg/kg), a qual confere ao «Alho da Graciosa» características conservantes dos alimentos.
De acordo com o pedido submetido à Comissão Europeia e já aprovado, “devido às suas qualidades, os visitantes procuram com frequência especialidades gastronómicas que incluam o «Alho da Graciosa» no seu tempero e confeção, como a famosa «Molhanga» para acompanhar peixe fresco, o «Molho à Pescador», a típica «Linguiça da Graciosa» e «Lapas grelhadas», o que faz dele um produto muito apreciado e usado por conceituados chefes de cozinha, não só devido ao seu sabor e aroma inconfundíveis, mas também às suas reconhecidas características como conservante alimentar, decorrentes da sua elevada concentração em alicina”.
A ilha da Graciosa foi sempre conhecida como a «Terra do Alho», e este produto está representado no brasão da freguesia de São Mateus.
Do ponto de vista da sua reputação, o «Alho da Graciosa» implementou-se com sucesso nesta ilha desde a chegada dos primeiros povoadores no início do século XV, devido às condições propícias ao seu cultivo.
De geração em geração, o alho típico da Graciosa tem sido melhorado, pois os produtores selecionam para propagação os melhores exemplares.
A aprovação da nova denominação será aditada à lista de 1566 produtos já protegidos na base de dados e Ambrosia da Comissão, que conta com um total de 228 produtos portugueses, entre os quais 139 produtos agrícolas e géneros alimentícios.

Share

Print
Ordem da notícia248

Theme picker