Banco Alimentar realiza nova campanha de recolha de alimentos
Diário dos Açores

Banco Alimentar realiza nova campanha de recolha de alimentos

Previous Article Previous Article Mau tempo obrigou ao realojamento de quatro pessoas e causou muitos estragos em estradas e habitações
Next Article Pandemia “aumentou a severidade” dos casos de violência doméstica nos Açores Pandemia “aumentou a severidade” dos casos de violência doméstica nos Açores

No 25º ano de actividade, o Banco Alimentar Contra a Fome da Ilha de São Miguel realiza, de 26 a 28 Novembro, uma nova campanha de recolha de bens alimentares, junto dos estabelecimentos comerciais espalhados um pouco por toda a ilha, com especial enfoque nas grandes superfícies comerciais.
Procurando ‘QUE NINGUÉM FIQUE SEM ALIMENTO À MESA’’, a campanha sensibiliza a população para a importância de todo e qualquer contributo, assim como dos efeitos que estes poderão produzir. Qualquer bem alimentar doado, por mais pequeno que seja, contribuirá para fazer a diferença no dia-a-dia de alguém, recorda o Banco Alimentar.
Segundo esta constituição, a grave situação social de muitas famílias que foram assoladas pelos efeitos da crise Covid, justificam um esforço, uma generosidade e mobilização colectivas da nossa sociedade, em prol dos mais desfavorecidos.
Recorde-se que, no ano passado, o Banco fez chegar alimentos a 3.138 famílias, números que, infelizmente, teimam em não baixar, distribuindo 656 toneladas através de cerca de 70 associações parceiras. 80% das famílias que receberam este apoio alimentar foram seleccionadas pelo Centro de Apoio à Emergência Social do Instituto da Segurança Social dos Açores, com quem o Banco Alimentar tem sempre trabalhado, em rede, nestes 25 anos .
Refira-se que esta campanha, dada a sua complexa e alargada dimensão, só vai ser possível dado o envolvimento activo de muitas entidades, desde as lojas e seus colaboradores, voluntários, órgãos de comunicação social, PSP e transitários. O número de voluntários ascenderá a 600, sendo de evidenciar, mais uma vez, a presença de vários grupos de escuteiros.  “A todos, o nosso antecipado agradecimento pela sua preciosa ajuda e inestimável colaboração. Fazemos ainda um apelo a todas as pessoas, empresas, instituições e produtores locais à doação para esta causa. Há milhares de famílias que dependem de nós para poder colocar comida na mesa. É uma triste realidade que só pode ser combatida com um forte sentido de responsabilidade colectiva”, alerta Luísa César, Presidente do Banco Alimentar Contra a Fome da Ilha de São Miguel. Os bens alimentares mais necessários, e que garantem maior segurança alimentar, são: leite, enlatados de feijão e grão, carne e peixe, legumes secos, cereais e papas alimentícias.

Share

Print
Ordem da notícia252

Theme picker