42 noruegueses rumaram a São Miguel numa “viagem às cegas”

Viagem às cegas O desafio foi lançado por uma agência de viagens norueguesa, a Smart Reiser, que optou por criar um programa diferente para os seus clientes. A ideia passou por escolher um destino, programar toda a viagem, lançar a campanha de marketing, mas sem nunca revelar aos clientes de que destino se tratava. Uma ideia que foi muito bem acolhida na Noruega, tendo conquistado o entusiasmo de 42 pessoas que embarcaram nesta aventura e rumaram até Ponta Delgada, ficando a saber apenas aquando do check-in para onde iam viajar.
Conforme contou ao Diário dos Açores, Arve Mork, um dos guias, “já há muitos anos que organizamos viagens, mas no Inverno ao planearmos o nosso Verão deste ano, começamos a pensar no que poderíamos fazer de novo para apresentar aos nossos clientes, principalmente porque já temos muitos clientes que viajam connosco há muitos anos e já conhecem muitos países. Foi quando surgiu a ideia de organizarmos uma viagem sem que os clientes soubessem para onde iriam, e surgiu logo a hipótese deste destino ser os Açores”.
Muito bem disposto, Arve Mork explica que escolheu os Açores por ser um destino que ainda é pouco conhecido para muitas pessoas na Noruega, mas, confessa, “esta será a primeira vez de muitas que vamos mandar turistas para os Açores”.
Apesar de não saber se a ideia de uma viagem às cegas iria resultar, ainda assim a Smart Reiser colocou mãos à obra e começou a organizar toda a viagem, colocando ao dispor dos clientes apenas um panfleto com muita pouca informação do destino. Arve Mork conta que os clientes só sabiam “qual a distância do destino até onde vivemos, que tínhamos que mudar de avião algumas vezes, que viríamos à noite e que no destino iríamos fazer muitas excursões e nadar em água quente. Não fomos muito explícitos para que os clientes não adivinhassem qual seria esse destino. E curiosamente, a ideia resultou. Os clientes começaram logo a fazer reservas e a ficar muito entusiasmados”.
Tão entusiasmados que logo na primeira semana a agência conseguiu vender os 30 lugares que tinha disponíveis, tendo conseguido vender ainda mais 10. Assim, da Noruega chegaram no passado Sábado a Ponta Delgada 42 pessoas, incluindo os dois guias turísticos, com quem o Diário dos Açores conversou.
Perante o sucedido, este guia confessa que se tratou de uma aposta que “superou todas as nossas expectativas. Poderia acontecer ninguém estar interessado em viajar sem saber primeiro para onde ia, até porque esta viagem custou cerca de 800 euros por pessoa”, frisa, revelando estar muito feliz por ter escolhido este destino.
O outro guia que acompanha este grupo, Kenneth Pilskog, avança, por outro lado, que os clientes, já no aeroporto da Noruega, quando souberam finalmente o destino, ficaram muito entusiasmados e muito contentes.
Conforme dá conta, “alguns já desconfiavam que seria esse o destino porque com base nas poucas informações que lhes demos, eles foram por exclusão de partes, principalmente pelo facto de saberem que a nossa agência de viagens nunca tinha viajado para aqui. A partir daí, eliminaram todos os destinos onde já tínhamos estado, depois calcularam a distância dos Açores à Noruega e alguns suspeitavam que viriam para São Miguel, porque dissemos também que eles iriam parar numa cidade europeia, a partir daí chegaram a Lisboa, e depois aos Açores”.
À nossa reportagem Kenneth Pilskog revela que foram cerca de 15 clientes que conseguiram adivinhar antes que lhes fosse revelado o destino. Quanto aos restantes, comenta Arve Mork, “estavam mesmo muito curiosos quando os encontramos no aeroporto. Mas ficaram todos muito contentes por saberem qual seria o destino que lhes esperava, até porque havia alguns que já tinham procurado alguma informação sobre os Açores”.
O grupo chegou a Ponta Delgada no passado dia 24 de Setembro estando a viagem de regresso à Noruega marcada para o próximo dia 1 de Outubro. Assim, depois de passarem quatro dias em São Miguel, o grupo parte para o Faial, onde vai permanecer duas noites, viajando depois até à ilha do Pico, onde vai ficar durante um dia. Ou seja, garante, Arve Mork, “vamos ter muito dos Açores, em apenas uma única viagem. Três ilhas, em seis dias”, adverte.
Uma viagem que a avaliar pelos rostos bem-dispostos dos turistas pode concluir-se que está a corresponder ao desejado. De acordo com os guias turísticos, “eles estão a adorar, o tempo tem estado maravilhoso, e posso dizer que tivemos muita sorte por poder vir para este sítio fantástico. Estou a adorar cada minuto que passo cá. É um destino que tem tanto para oferecer, é tão diferente de tudo. As pessoas estão habituadas a ir para grandes cidades, mas aqui com toda essa natureza, é tão relaxante, tão agradável, tão bom… Sem dúvida que irei voltar e recomendar” assegura Arve Mork.

Desafio aceite

À conversa com alguns turistas, encontramos Kjell Arnskin Aarset que revela que decidiu aceitar o desafio da agência porque achou “excitante ir numa viagem sem saber qual o destino. Tive que adivinhar para onde vinha, e consegui saber”, conta gracejando e orgulhoso por ter descoberto para onde iria antes mesmo da agência revelar. Quanto ao destino, Kjell Arnskin Aarset confessa que ficou “muito contente, porque já tinha lido sobre os Açores, mesmo antes de saber dessa viagem e estava interessado em conhecer estas ilhas. É a primeira vez que cá estou e considero que é uma ilha muito bonita, garantidamente que hei-de cá voltar. Sou um fã da natureza e de vulcanologia… é pena que por cá não se vejam tantos animais, mas é uma ilha muito verde e linda. Quanto aos vulcões, estou desejoso por chegar à ilha do Pico”.
Ao seu lado, falamos com Ashild Li que admite que o facto de gostar muito de viajar, de ser muito curiosa e por saber que qualquer viagem organizada por esta agência é sempre muito interessante, decidiu embarcar nesta aventura mesmo sem saber o destino. No entanto, conta, depois de saber que seria para os Açores, “fiquei maravilhada e muito contente por saber que vinha para cá. Está a ser uma viagem fantástica, é uma ilha com lindas flores e com muito bom clima. Vou recomendar e quem sabe irei voltar um dia destes”.

More articles from this author