“Em dia de São Martinho, vai à adega e prova o teu vinho”

castanhas s. martinho1 As condições meteorológicas dos últimos dias fazem jus à lenda que fala no Verão de São Martinho. Conta-se que em 300 d.C. um cavaleiro do exército romano regressava à Gália quando, durante uma tempestade, um mendigo pediu-lhe uma esmola. Como não teria valores, cortou o manto com a espada e deu metade ao pobre. Nessa altura a tempestade desapareceu e ficou um sol radioso. O Verão de S. Martinho estava feito. Coincidência, ou talvez não, a verdade é que por estes dias costuma estar sempre bom tempo. Lá diz o ditado: “Verão de S. Martinho são três dias e mais um bocadinho”.
Lendas à parte, São Martinho foi um dos principais impulsionadores da fé cristã na Gália, hoje França. É patrono, entre outros, dos alfaiates, dos cavaleiros, dos pedintes e dos trabalhadores de restauração.
No dia de São Martinho manda a tradição que no Magusto a castanha seja rainha. Uma vez que os meses de Outubro, Novembro e Dezembro marcam a colheita das castanhas, por esta altura este é o ingrediente principal das festas de São Martinho.
A castanha é usada na alimentação desde os tempos pré-históricos. É uma excelente fonte de energia, rica em vitaminas C e B6 e uma boa fonte de potássio. Os especialistas referem a castanha como uma fonte de fibra alimentar, rica em água, com baixo teor em gordura - não tem colesterol -, uma fonte apreciável de vitaminas (nomeadamente vitamina C e folatos) e minerais (essencialmente potássio, fósforo e magnésio).
Nos Açores, esta é uma data que as unidades hoteleiras e de restauração aproveitam para dinamizarem os seus espaços promovendo festas alusivas à efeméride. Um pouco por todo o arquipélago são muitas as festas agendadas para este fim-de-semana, seja em casa com amigos, ou num espaço de convívio e lazer.

Cabouco acolhe a 4ª edição da Festa de São Martinho

“Nobreza, Clero, Povo e as Vindimas” é o tema escolhido para a festa de São Martinho que os Amigos de São Martinho do Cabouco voltam a realizar no Cabouco, concelho de Lagoa.
Entre hoje e amanhã são esperadas mais de mil pessoas nesta quarta edição que conta com o apoio da Câmara Municipal de Lagoa, da Casa de Povo do Cabouco e da Junta de Freguesia local.
Assim, para hoje, pelas 13h00m, a festa é dedicada aos mais pequenos com a “Tarde Infantil”, onde não poderia faltar os pula-pulas e demais actividades direccionadas a este público. A abertura oficial da festa está marcada para as 18h30 com a habitual presença das entidades do concelho e os patrocinadores do evento.
Entre as novidades para este ano destaque para a presença de quiosques de artesanato da Casa do Povo e do Centro Social e Cultural do Cabouco, havendo ainda lugar ainda para provas de vinhos, de enchidos e de queijos.
Hoje, ao final do dia, pelas 19h00, será a vez dos visitantes apreciarem o tradicional “Cortejo Etnográfico de São Martinho”, onde marcarão presença a Charanga dos Bombeiros do Nordeste e dos Escuteiros locais.
Pelas 21h00 haverá cantigas ao desafio e pelas 21h30, destaque para a actuação do Grupo de Cantares Tradicionais de Santa Cruz, seguindo-se actuações de vários artistas micaelenses.
Está ainda reservado para este dia, por volta das 22h30, sardinhas e porco no espeto.
O dia de amanhã começará com uma tarde às crianças, seguindo-se às 19h00, a abertura dos quiosques de artesanato e das barracas comes e bebes. Repetir-se-ão as provas de vinho, queijo e enchidos e, pelas 20h00, haverá prova de novilho no espeto.
Seguir-se-á a noite musical com vários artistas regionais.

Dia de S. Martinho na Maia

A Casa do Povo da Maia promove hoje um Encontro de Idosos para comemorar o dia de S. Martinho. Cerca de 90 idosos dos Centros de Convívio da Zona Oriental do Concelho da Ribeira Grande, desde Fenais d’Ajuda ao Porto Formoso irão participar nesta iniciativa.
Durante a actividade vão ser distribuídos castanhas, caldo verde, milho e a tarde vai ser animada por jogos de interacção social. A actividade inicia-se por volta das 14h00, prolongando-se até às 17h00.

Magusto relembra os mortos

O magusto é uma data festiva que se realiza no dia de São Simão, no dia de Todos-os-Santos e no dia São Martinho. Segundo o autor José Leite de Vasconcelos, o magusto representa um sacrifício em honra dos mortos, explicando que na localidade de Barqueiros é tradição acender as fogueiras e preparar, à meia-noite, uma mesa com castanhas para os mortos da família irem comer.
A festividade não é só comemorada por terras de D. Afonso Henriques. Existem também inúmeras celebrações pelo mundo, como é o caso das seguintes: na Alemanha acedem-se as fogueiras e abre-se a estrada para as procissões passarem; em Espanha é costume matarem-se os porcos, tradição que originou o ditado popular «cada porco tem o seu São Martinho»; e ainda no Reino Unido existe a expressão «Verão de São Martinho» que, está também relacionada com a lenda, visto o tempo melhorar bastante nestes dias nas terras de Sua Majestade.

 

A Lenda

A lenda conta que num dia frio e chuvoso de Inverno, Martinho traçava o seu trilho cavalgando no seu cavalo quando se deparou com um mendigo. Não conseguindo ficar indiferente ao facto do mendigo tremer de frio, o santo pegou na sua capa e cortou metade para que o mendigo se pudesse tapar e aquecer.

More articles from this author