Carnaval trocadilhado em enredos

“Uma mulher e dois maridos” é caso para questionar “Afinal, quem é que manda aqui?’”, sabendo-se de antemão: “Ficas com a tua mãe que eu fico com a minha”.
“A Maria do lado de lá”, seguramente, “Dorme na paz dos anjos”, enquanto “Gente tola e homeopatas” merecem visitar “O lago dos tubarões”.
“A fuga das bonecas” pode, e deve esperar, para “Quando eu for grande” e, já agora, “Falar para quê?”.
“O que custa é saber viver”, ora muito bem, “Fala quem sabe”, até porque “A brincar é que se diz a verdade”.
“Os tarolas” não arriscam namorar “As santas das minhas filhas” e, deste modo, ninguém vê “Amor por um canudo” se “Esta paixão vai dar sarilho”.
Se gosta de “Dança de Espada com estilo diferente” tenha em linha de pensamento que “Antes fugir do que ficar mal”, caso contrário, “Esfrega agora e torce depois”.
“Os carteiros”, com toda lógica deste e outro mundo, representam “A voz das cartas” e fica tudo registado no “Diário de Reportagens”.
Já se sabe, por outro lado, que “A minha sogra é uma santa”, quando não se transforma em “Um barril armadilhado”.
“Uma fogueira clandestina” pode atiçar “Amor à primeira vista”, mesmo quando o “Tonecas é traído”.
“O avião é MEO” traduz “Uma força especial”, não obstante “O Titanic feito nos Açores” respeitando “A teoria da evolução segundo Darwin” e o “Artur, o robot do futuro”.
A “Investigação criminal” fica a cargo da “Família Adams” e “As aulas de zumba” arriscam liquidar “O amor”.
“Há toiros ou não há toiros?” é uma questão pertinente para “As forcadas do Ramo Grande”. Posso ainda perguntar “Porque me atraiçoou?” “O Amigo Vasco” e interligar “Os Minions” com “As regras do Pancru”.
“A evolução humana” desemboca do dilema “Desemprego sim, trabalhar não” e “Champagne francês e fumaceira” integram as receitas do “Master Chef Terceira”.
“Turbulências de uma viagem” prometem “Um passeio azarado” e “Uma homenagem do Donato” não colide com “As loucuras de Carmina”.
“A vingança do Padre Orlando” inspira “Coisas do arco da velha”, confirmando-se, em absoluto, a teoria de que “Sem tralha, agora é que são elas”.
“O poder divino” entra nos “Contos de sempre” e “O Factor X na Terceira” não rima, e muito menos encosta, com o “Euro 2016”.
“A venda do Tio Chico” acolhe “A Serenata do Azar”, “O Panteão” recebe o “Carnaval dos hospitais” e, também, lá cabem “Os padroeiros da ilha”.
“Um concurso de hospedeiras”, “Um bailinho e meia dança”e “A história certa do Frozem” nada tem a ver com “A mafia”.
“Tá dá pedra” “Um dia depois do Carnaval” e “Somos três aventureiros” podem ver “A 3ª idade nas Sanjoaninas, 2 velhas e 2 presidentes”, mas nunca, nunca mesmo, pagam “O preço do desprezo”.
“E tudo o vento levou” se não tirar partido até ao tutano do Carnaval (único) da ilha Terceira num palco próximo de si.