Viagens no Tempo - Que vício o de tagarelar

Assim rezam os dizeres de quem o equilibro da linguagem de gente cordata aconselha moderação, quanto baste.
Bastas vezes nos confrontamos com alguém que não prescinde daquela vontade de, sobre tudo, tecer considerações, quantas vezes ocas, sem o mínimo sentido percetível daquela lemga lenga sair coisa palpável e objetiva que nos permite algum prazer em ouvi-lo.
Conheci, em tempos, um fulano da nossa praça, que nutria imenso gozo em conversar disto e daquilo, sem qualquer intuito de vasculhar a vida alheia – Deus o tenha.
Certa vez, deu-me boleia da mata da doca, onde decorria uma feira de gado. Tudo bem e muto disse sobre o evento, não permitindo, seu hábito, ouvir alguma opinião contrária.
Chegámos ao Largo 2 de Março, onde morava numa rua adjacente, agradeci-lhe a boleia, abrindo a porta do automóvel e ele sempre a malhar em ferro frio, enquanto me afasta do carro – assunto arrumado julgava eu.
Para surpresa minha, o cavalheiro abriu a sua porta e seguiu-me. Meu Deus como vou sair-me desta…
Sendo domingo, inventei a desculpa de ter de ir à Ponta Garça visitar a família.
Ele atendeu à minha pressa e apartámo-nos
Chegado à mina terra contei-lhes o fastidioso sucedido. O meu saudoso irmão Nuno, que já lá estava, “tiveste mais sorte do que eu, porque, de tanto conversar, encostou demasiado a sua cara, como se aquilo fora porventura um segredo de estado, enganchando os seus óculos nos meus, e cada um levantou do chão o que era seu…” – risada geral.
Meu pai que ouvia muito mal, embora nunca se habituasse ao aparelho auditivo, pôs a mão em concha para não perder pitada e, já se vê, riu-se divertido.
Todos habitam o Reino do seu Além. Quem sabe do que falarão…
Certamente, da paz em que todos fruíam neste mundo, que ao tempo ainda era um oásis.

 

Reflexão

Há Escuta

Há gente que se entretém com o que corre na vida alheia, vasculhando a sua intimidade, e pior, propalando as suas fraquezas. Diz-se que são as mulheres as que mais se dão a essa devassa. Porém, os homens, e isso confirma-se, não fogem à regra.