150 mil lâmpadas iluminam a partir de hoje o Santuário e o Campo de São Francisco

Humberto Moniz 2017Aos 81 anos de idade, Humberto Moniz passa os dias que antecedem o fim-de-semana das Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres sentado no lado norte do Campo de São Francisco a observar os trabalhos de montagem das luzes que vão iluminar a fachada do Santuário.

Apesar da avançada idade, continua a acompanhar até ao último dia os trabalhos que começaram a 24 de Abril. À conversa com o Diário dos Açores, Humberto Moniz adianta que este ano vão dar luz e cor ao Santuário do Santo Cristo e ao Campo de São Francisco um total de 150 mil lâmpadas. “As lâmpadas têm sete cores: branco, vermelho, amarelo, verde, roxo, azul e o opalino. As pessoas pensam que todos os anos é igual, mas há sempre diferenças e as cores mudam”, salienta o responsável.

A iluminação será inaugurada esta noite, pelas 21 horas, marcando o arranque do arraial da maior festa religiosa dos Açores, que ano após ano leva à cidade de Ponta Delgada milhares de pessoas, entre locais, açorianos de várias ilhas, emigrantes e turistas. A inauguração contará com a execução do hino do Senhor Santo Cristo, seguida de desfile da Charanga dos Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada. 

O momento é o culminar de semanas de trabalho de cerca de 40 trabalhadores, desde electricistas a carpinteiros e pedreiros.

Segundo conta Humberto Moniz, este ano os trabalhos estão a cargo de um empreiteiro. “Eu é que sou responsável por isso, assino os termos de responsabilidade perante a EDA, pois estão aqui envolvidas potências muito grandes, mas tenho confiança no rapaz que agora está aqui. Foi meu aprendiz”, conta.

 

Sete décadas ligado à iluminação das festas

 

Para trás, estão quase 70 anos como responsável pela iluminação destas festividades. É o “homem das luzes”.

“Vim para aqui aos 12 anos e aos 26 já era encarregado. Isto para mim é tudo. Gosto de estar aqui. Tenho muita fé e adoro a imagem do Senhor Santo Cristo”, afirma.

“Quando era rapaz”, continua, “o meu trabalho era transportar escadas e outros materiais de um lado para o outro. Só depois é que fui aprendendo a fazer ligações e a colorir as lâmpadas de vários tons”.

Humberto Moniz foi quem idealizou os motivos que figuram na fachada da igreja, na sacristia, no coreto do Campo de São Francisco e no torreão. 

Ao nosso jornal recorda que foi ele quem fez os desenhos, deu a orientação para a parte eléctrica e para as pinturas, explicando que o que dá mais trabalho entre todo o processo é a coloração das lâmpadas, feita com um verniz especial. Ano após ano, umas lâmpadas são pintadas e outras descoloridas com acetona”, relatou.

Quanto às expectativas para o fim-de-semana das festas, em especial para esta noite, Humberto Moniz salienta que o “importante é que esteja bom tempo”. “Se tiver que haver mau tempo, que venha antes, porque mesmo com tempo mau os trabalhos da iluminação avançam. Agora, mau tempo durante as festas é que não é bom”, conclui.

Por: Alexandra Narciso

Papa recebe “presépio de lapinha” feito pelos idosos da Misericórdia da Ribeira Grande

idosos - presepio para o PapaOs idosos da Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande montaram um presépio de lapinha para oferecer amanhã ao Papa Francisco. Conforme explicou ao Diário dos Açores, António Pedro Costa, provedor da Santa Casa, uma vez que os idosos da Santa Casa, dentro das suas actividades ocupacionais e de lazer, executam tarefas integradas na preparação de vários eventos anuais, “ao tomarem conhecimento da visita do Papa a Portugal surgiu a ideia de oferecer uma lembrança ao Santo Padre. Na escolha do tipo de prenda, os idosos hesitaram entre um registo do Senhor Santo Cristo e uma lapinha, acabando por prevalecer a ideia do presépio de lapinha, exactamente porque o Papa Francisco é devoto de S. Francisco”, conta.

Depois de concluído, o presépio foi remetido ao Santuário de Fátima, que ficou incumbido de entregá-lo na Casa Pontifícia. António Pedro Costa deu conta que a Santa Casa já recebeu o certificado da recepção da lapinha e a informação de que será, de imediato, remetido para a Casa Pontifícia, dada a curta visita ao nosso país”. Durante a sua passagem por Portugal, o Santo Padre apenas tomará conhecimento das lembranças que lhe foram ofertadas. “A única tristeza dos idosos da Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande é que não puderam entregar a lapinha directamente ao Sumo Pontífice”, diz o Provedor, acrescentando, porém, que “estão muito felizes por saberem que o Santo Padre terá a oportunidade de apreciar a sua lembrança”.

Para António Pedro Costa, “esta lembrança tem um simbolismo muito especial, pelo que a Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande acolheu de imediato a iniciativa e acarinhou a ideia, tendo estabelecido contactos com os serviços do Santuário, a fim de se remeter aquela bonita peça para Fátima. Os utentes do nosso Centro de Dia acreditam que o Santo Padre ficará contente com a sua oferta, pois aquele presépio típico de São Miguel passou a constituir uma peça de arte que se tornou muito valiosa, pela marca de regozijo e pelas preces que os nossos idosos deixaram dentro daquela lapinha”.

Cerca de cinquenta idosos entregaram-se a esta actividade “com grande entusiasmo, porquanto sabiam que o fruto do seu trabalho iria chegar às mãos do Papa Francisco, que tanto admiram e amam”, assegura o Provedor da Santa Casa advertindo que “a lapinha foi construída por algumas mãos trémulas e mesmo com alguma dificuldade de visão de certos idosos, mas os olhos do coração estavam repletos de alegria e entusiasmo aquando da sua armação”.

Confiante que a prenda dos idosos da Santa Casa irá agradar ao Papa Francisco, António Pedro Costa não tem dúvidas que o Santo Padre “apreciará esta prenda em particular, não apenas por ser um presépio com o seu simbolismo de ter sido criado por S. Francisco, mas que foi montado por idosos a quem sempre dedica muito carinho. Por outro lalado, tratou-se de uma iniciativa na qual os idosos depositaram um grande empenho e os mobilizou na recolha das peças tradicionais para incluir no presépio. Cada um quis colocar uma miniatura das figurinhas que compõem a lapinha e à medida que o presépio se componha, o entusiasmo crescia e a emoção tomava conta das suas conversas”, frisou.

O presépio é uma lapinha típica da ilha de São Miguel e é montado a partir de materiais naturais, nomeadamente rochas, musgos, conchas e areias e composto por figuras de barro em miniatura, geralmente feitas por artesãos propositadamente para as lapinhas.

Por: Olivéria Santos

Cerca de meia centena de açorianos participam na V Ultreia Mundial dos Cursilhos de Cristandade

Cursilho cristandadeO Movimento dos Cursilhos de Cristandade (MCC), cujo Comité Executivo do Organismo Mundial está sediado em Portugal desde 2014 até ao final deste ano, encontra-se a promover o seu encontro mundial com o tema ‘É hora dos cursilhos’, entre 4 e 6 de Maio, em Fátima.
Num comunicado enviado ao Igreja Açores, o MCC informa que do programa para os três dias de encontro destaca-se a quinta Ultreia mundial no dia 6 de Maio, na Basílica da Santíssima Trindade.
Cerca de 8 mil cursistas, de 38 países dos cinco continentes, entre eles 50 cursistas oriundos da diocese de Angra, vão ainda participar em diversas iniciativas como a celebração da Eucaristia, Orações, conferências, tertúlias, procissões.
Os Cursilhos de Cristandade destacam que a Ultreia mundial realiza-se “num ano histórico” com os 100 anos das Aparições de Fátima, a peregrinação do Papa Francisco ao Santuário de Fátima e o centenário do nascimento do fundador dos MCC, Eduardo Bonnín, sem esquecer a canonização dos pastorinhos Francisco e Jacinta Marto. Recorde-se que o fundador do Movimento,  Eduardo Bonnín, nasceu em 1917, no ano em que os pastorinhos de Fátima fizeram a grande experiência da revelação da Cova da Iria.
O MCC tem reconhecimento canónico pela Santa Sé como “Estrutura de coordenação, promoção e difusão da experiência dos cursilhos de Cristandade, tendo personalidade jurídica privada”, sublinha ainda a nota.
Desde que nasceu em Palma de Maiorca (Espanha) em 1949, o Movimento tem-se configurado como um movimento de evangelização que procura levar a Boa Nova do Amor de Deus a cada pessoa, especialmente aos mais afastados.
Desde 2014 que Portugal é, pela primeira vez, o principal ponto de encontro para membros do movimento quando foi escolhido como sede da organização mundial durante o último encontro europeu realizado entre 23 e 26 de Maio de 2013, na Áustria.
O MCC chegou ao nosso país em 1960 e o primeiro cursilho realizou-se em Fátima, de 29 de Novembro a 2 de Dezembro desse ano. Sediado em Fátima,  o MCC tem em Portugal  120 mil cursilhistas, e para os dirigentes “será um grande desafio responder à expectativa mundial de celebrar o centenário [do nascimento] do fundador”.
Na diocese de Angra, o Movimento dos Cursilhos de Cristandade é  um dos mais mobilizadores da igreja católica e já realizou quase 400 cursilhos nos Açores, envolvendo mais de 11 mil  açorianos, desde 1963, data em que chegou aos Açores.
A direcção do Secretariado do Movimento nos Açores é assegurada por uma equipa sediada na Terceira e liderada por Telmo Sequeira, havendo um sub-secretariado em São Miguel, orientado por Micá Matos.
O MCC já teve actividade em praticamente todas as ilhas, à excepção do Corvo onde nunca se realizaram cursilhos, mas actualmente está vivo na ilha Terceira, em São Miguel e em Santa Maria.
Refira-se que há um elemento da equipa dirigente diocesana - Fausto Dâmaso - que integra o Comité Executivo do Organismo Mundial dos Cursilhos de Cristandade,  estrutura rotativa que percorre os cinco continentes de quatro em quatro anos: actualmente está em Portugal e já esteve, por exemplo, em Toronto (Canadá), Caracas (Venezuela) e Seul (Coreia do Sul).
Este organismo mundial é reconhecido pelo Conselho Pontifício para os Leigos e conta com quatro grupos de coordenação e reflexão – europeu, latino-americano, língua inglesa e da Ásia-Pacifico – que trabalham com os secretariados nacionais e diocesanos e compete ao bispo diocesano que o receba na sua diocese dar-lhe “lugar e plenitude canónica”.

Festas de Nossa Senhora de Fátima nos Fenais da Luz

Igreja Fenais da LuzA Comissão de Festas de Nossa Senhora de Fátima, da Paróquia de Nossa Senhora da Luz, dos Fenais da Luz, organiza entre amanhã e Domingo uma série de eventos religiosos e culturais no Bairro da Luz.

O objectivo passa por celebrar os 100 anos das aparições da Mãe de Jesus em Fátima aos três pastorinhos e “dinamizar o lugar do Bairro, ocupando os mais jovens, os principais destinatários da mensagem de Fátima, com actividades variadas: religiosas, desportivas, lúdicas e musicais”, avança a organização em comunicado.

Inédito naquela paróquia, as festas iniciam-se amanhã à tarde, com a abertura do bazar e da barraca e com música de fundo. 

A imagem de Nossa Senhora de Fátima será levada, de automóvel, da Igreja Paroquial d?e Nossa Senhora ad? Luz, chegando ao Bairro pelas 19 horas. Seguir-se-á a procissão das velas, pelas 21 horas, antecedida pela venda, no local, de velas com copos. A imagem ficará exposta no local, em vigília, toda a noite, para ?a oração em silêncio ou com o terço.

No Sábado à tarde, haverá lugar para eventos destinados a crianças e jovens, promovidos pelo Agrupamento de Escuteiros Católicos dos Fenais da Luz. Já às 19 horas será celebrada a Eucaristia Campal, presidida pelo pároco, padre Ricardo Tavares?, e animada pelas romeiras e pelos romeiros?. À noite será oferecido um Caldo Verde aos presentes, seguindo-se a actuação do Grupo de Teatro “O Ponto” e dos artistas Emanuel e Andreia Sousa. ?A imagem ficará exposta no local, em vigília, toda a noite, para ?a oração em silêncio ou com o terço.?

No Domingo à tarde, serão realizadas actividades desportivas promovidas pelo Grupo Desportivo dos Fenais da Luz. O final da festa?, pelas 18:30 horas,? contará com a despedida e o regresso, em procissão, da Imagem de Nossa Senhora de Fátima à Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Luz, acompanhada pelas romeiras e pelos romeiros da paróquia.

Segundo a organização, o lucro das festas será revertido a favor do restauro da Igreja Paroquial, que começará no próximo ano civil.

Romeiros com 54 grupos a partir de sábado

Romeiros CandeláriaOs romeiros de S. Miguel começam a sair a partir do próximo sábado. Estão inscritos este ano 54 grupos. A partir da edição de sábado, o Diário dos Açores volta a publicar diariamente, como já é tradicional, o mapa das pernoitas relativo.
Irão participar este ano os seguintes ranchos: Água d´Alto,  Água de Pau,  Ajuda da Bretanha,  Algarvia,  Arquidiocese de Toronto,  Atalhada,  Cabouco,  Calhetas,  Candelária,  Capelas ,  Conceição Rib. Grande,  Covoada,  Fajã de Baixo,  Fajã de Cima,  Fenais da Ajuda,  Fenais da Luz,  Feteira Pequena,  Feteiras P..Delgada,  Livramento,  Lomba de Loução,  Lombinha da.Maia,  Maia,  Matriz da Rib. Grande,  Matriz de P..Delgada,  Milagres Arrifes,  Pico da Pedra,  Pilar da Bretanha,  Ponta Garça,  Porto Formoso,  Rabo de Peixe,  Relva,  Remédios Bretanha,  Remédios Lagoa,  Rib. Quente / Furnas,  Ribeira das Tainhas,  Ribeira Funda,  Ribeira Seca R. Grande,  Ribeirinha,  Rosário Lagoa,  S.Pedro/St.Ant. Nordestinho,  Santa Clara,  Santa Cruz Lagoa,  São Brás,  São José P..Delgada,  São Roque,  Saúde Arrifes,  Sete Cidades,  St. António A. Capelas,  St. Bárbara P. Delgada,  St. Bárbara R. Grande,  V. Nordeste / Pedreira,  Várzea,  Vila da Povoação,  Vila Franca do Campo
De acordo com a decisão do Bispo dos Açores, as intenções deste ano serão as seguintes:
Pelo Papa Francisco, para que o Senhor O ilumine e fortaleça, para que possa continuar a confirmar os irmãos na fé.
Pelos Bispos e Sacerdotes, para que sejam verdadeiros Pastores, que conduzem o rebanho, que lhes está confiado.
Pelos nossos jovens e seminaristas, para que tenham a força de seguir o chamamento do Senhor
Pelo Papa Francisco, para que tenha a saúde necessária para cumprir a sua missão de Bispo de Roma e Pastor da Igreja Universal.
 Pelas nossas famílias, para que o Senhor as ajude a vencerem as dificuldades do momento presente.
Pelos doentes e idosos, pelos que sentem sós e desamparados, para que, no Senhor, encontrem conforto e, em nós, apoio e ajuda.
Pelo Papa Francisco, para que o Senhor O ajude a renovar a Igreja.
Pelos Irmãos Romeiros, para que testemunhem, na vida, a fé cristã.
Pelos nossos defuntos, nomeadamente os Romeiros falecidos, para que o Senhor lhes conceda a bem-aventurança eterna.
O Grupo Coordenador recomenda que “na caminhada dever-se-á evitar com caridade e abnegação tudo o que seja excesso (bebidas, refeições, visitas de familiares e outras), privilegiar apenas o dia da família e aproveitar, desde aí, para dar testemunho cristão de verdadeiros peregrinos. Procurar sempre os percursos tradicionais, observando o maior cuidado nas zonas mais perigosas, visitando o maior número possível de igrejas e ermidas”.