Artigos

PSD critica estratégia da Azores Airlines para o Pico durante o Verão

aeroporto picoO PSD do Pico criticou, esta segunda-feira, a estratégia aérea da SATA para o Pico. Em conferência de imprensa, o social democrata Marco Costa afirmou ser “inadmissível e incompreensível o número de voos previstos para o Verão IATA e, dentro deste, para o período entre meados de Julho e meados de Setembro”.

Recorde-se que a companhia aérea açoriana anunciou um reforça das ligações aéreas entre Lisboa e Pico no Verão IATA 2019, sendo que, entre Abril e Outubro a Azores Airlines prevê realizar um total de 216 voos na ligação Lisboa-Pico, mais 12 voos do que os realizados no verão de 2018. Já no mês de Setembro, será disponibilizada mais uma frequência semanal, passando-se de 3 para 4.

Segundo a SATA, “em termos de capacidade serão disponibilizados 35.640 lugares, ou seja, mais 2.465 lugares em relação ao Verão passado, consubstanciando um aumento de 7,4% na capacidade oferecida”.

Marco Costa considerou, no entanto, que a ilha do Pico “tem sido discriminada pela SATA e pelo Governo dos Açores. E não pode, nos meses de verão, voltar a contar apenas com três voos semanais, nem quatro como aconteceu em 2018 com a marcação, tarde e a más horas, de um voo extraordinário”.

“Grande parte dos passageiros que querem viajar para o Pico tem de passar por outros aeroportos, com todas os constrangimentos que isso acarreta”, criticou, recordando que “esta foi a segunda ilha da Região que mais cresceu no número de passageiros em 2018, com cerca de 15 mil, num aumento de 12,4%”.

O presidente do PSD/Pico exigiu directamente que “o número de voos directos com Lisboa reflicta o nosso crescimento nos últimos anos. Nos meses de verão, particularmente de meados de Junho a meados de setembro, tem de haver um mínimo de seis voos semanais directos com Lisboa”.

Os social democratas picoenses também reclamam que o número de lugares disponibilizados para reencaminhamentos internos, nomeadamente de São Miguel e Terceira, “seja aumentado, para podermos usufruir das possibilidades trazidas pelas companhias que só voam para esses aeroportos”.

Marco Costa sublinhou a necessidade de, no próximo inverno IATA, “haver um mínimo de três ligações semanais com Lisboa”, lembrando que, em 2017, esses voos “apresentaram uma taxa de ocupação a rondar os 75%. Em Junho foi superior a 80%,e em Julho e Agosto superior a 90%”.

 

PS satisfeito

 

O PS, por sua vez, reagiu “com agrado” ao anúncio sobre o aumento de 2465 lugares em verão IATA, na Azores Airlines, “para além de eventuais voos extraordinários em caso de muita procura”, criticanto a posição do PSD.

O deputado socialista do Pico, Mário Tomé, revelou que, apesar de ser uma solução que possa “aparentemente” não satisfazer todas as pretensões este é um esforço que “deve ser valorizado”. “Foi uma solução possível, tendo em conta que a empresa atravessa algumas dificuldades operacionais”. Ainda assim, o PS do Pico diz esperar “um reforço de lugares e de ligações inter ilhas, no verão IATA”, uma vez que, “no ano de 2018, o Pico foi a segunda ilha dos Açores a apresentar uma maior variação positiva, com 12%”, evidenciou.

O socialista lamentou que o PSD/A “continue a não reconhecer” os “bons resultados no sector do turismo e o aumento do número de passageiros transportados, os quais contribuem para a dinamização da economia da ilha”.

“Não deixa de ser curioso que o PSD Pico tenha sido tão lesto a reagir às mais recentes notícias sobre a SATA, acusando sempre de dedo em riste o Governo dos Açores, mas que depois se tenha feito de morto, - ao ponto de questionarmos a sua existência - sobre a pretensão do seu líder de privatizar a maioria do capital da SATA Internacional e parte do capital da SATA AirAçores, em claro prejuízo da gateway do Pico e das acessibilidades aéreas”, acusou Mário Tomé.