Artigos

Construção civil diz que “há redução de investimento público em obra nos Açores”

  • Imprimir

construção civilOs empresários da construção civil dos Açores dizem que há uma redução de 1,90% no investimento público regional “quando traduzido em obra”, embora haja, de “forma genérica, um aumento do total”.
Segundo a agência Lusa, a redução é apontada no parecer da Associação dos Industriais de Construção e Obras Públicas dos Açores (AICOPA) sobre a ante-proposta de plano de investimentos para 2014, apresentada pelo Governo Regional aos parceiros sociais no final de setembro.
“Embora de forma genérica tenha havido um aumento total do investimento público de 2013 para 2014, não podemos deixar de referir que quando traduzido para obra, verifica-se uma redução de 1,90% de investimento para o próximo ano”, lê-se no documento.
A AICOPA destaca que se somada a redução de 1,90% para 2014 à verificada de 2012 para 2013, que foi de 9,38%, há um decréscimo de investimento de 11,1%.
“Não podemos deixar de realçar que devido a esta redução será vital que a execução desse mesmo investimento seja consumado durante 2014. Como exemplo e como já referimos anteriormente, sugerimos que o valor conquistado de 8 milhões a mais ao abrigo do novo quadro comunitário de apoio [2014-2020] seja traduzido em trabalho para o nosso sector”, defende a AICOPA.
A associação diz que o sector “terá de estabilizar” para entrar “no sentido da recuperação e do crescimento, o que apenas será concretizável através de uma correcta política de investimento”.
No que concerne às políticas sectoriais do Plano para 2014, a AICOPA revela “alguma apreensão com o tempo de negociação” dos programas FEDER E FSE, uma vez que se podem “atrasar alguns investimentos”, o que seria um “rude golpe para um sector já tão flagelado pela actual conjuntura”.
A associação defende que medidas como as de requalificação urbana contempladas no Plano para 2014 e outras “mais incisivas, impõem-se”.
A AICOPA conclui que a Carta Regional de Obras Públicas “será fundamental para a manutenção do sector da construção” nos Açores.
Já a Associação de Municípios da Região Autónoma dos Açores (AMRAA), no seu parecer sobre a ante-proposta de Plano para 2014, considera que o documento “contém todos os elementos de uma política voltada para a dinamização económica e de um esforço de coesão social”.
“Consideramos esta opção extremamente relevante na actual conjuntura, o que contraria, e bem, de forma inequívoca, a lógica da austeridade empreendida pelo Estado e que não tem produzido quaisquer resultados positivos”, lê-se no parecer da AMRAA.
A AMRAA deixa, no entanto, a sugestão de que o Conselho Regional de Concertação Estratégica seja dotado de ferramentas que permitam “avaliar o real impacto das políticas que se pretendem implementadas e a exequibilidade da actual proposta”.
O Plano e Orçamento dos Açores será debatido e votado no parlamento açoriano no final do mês.