Artigos

SATA anuncia que reservas crescem, com mais receita e taxa de ocupação

Azores Airlines 2Entre os meses de Janeiro a Outubro 2019, o índice de ocupação médio registado (viagens e vendas já realizadas e reservas futuras) no computo geral da operação aérea do Grupo SATA, representa uma subida de + 3 p.p. na taxa de ocupação nas ligações liberalizadas entre o Continente e os Açores; de + 3 p.p. nas rotas ao abrigo das Obrigações de Serviço Público; de + 8 p.p. nas rotas EUA - Portugal e de + 9 p.p. nas rotas Canadá - Portugal - anunciou ontem a administração da SATA. 

“De igual forma, os resultados obtidos ao nível da receita vendida global, denotam uma melhoria nos resultados na ordem dos 16% na operação da SATA Air Açores e da Azores Airlines”, lê-se numa nota enviada ao nosso jornal.

Esta evolução positiva, segundo a SATA, é em parte atribuída ao conjunto de medidas adoptadas no final do ano de 2018, designadamente à implementação de uma aplicação de base tecnológica, que veio permitir melhorar as estimativas da procura e, consequente, optimização da oferta. 

“A adopção deste sistema permite receber informação objectiva acerca da necessidade de efectuar cancelamentos ou a oportunidade de realização de voos extraordinários (mediante a disponibilidade de recursos) face à estimativa de procura e receita”, explica a empresa.

“Em suma, a adopção deste sistema permite receber informação objectiva acerca da necessidade de reforço da oferta de lugares permitindo fazer face, de forma mais ágil, ao aumento de procura. 

Por outro lado, permite um controle mais efectivo evitando o desperdício de recursos. O equilíbrio é alcançado considerando os meios técnicos e humanos disponíveis, ajustados à realidade da operação aérea e à dimensão das transportadoras”, lê-se ainda na nota da SATA.

“Considerando os resultados obtidos até ao momento, o cenário dos próximos meses apresenta-se animador no que respeita à taxa de ocupação média dos voos e consequente aumento da receita. Considerando a proximidade da chegada de mais uma unidade Airbus A321LR estima-se que esta conjugação de esforços venha a concorrer para uma melhoria dos resultados das transportadoras e melhoria da qualidade do serviço prestado”, conclui.

 

Horta lidera aumento de falências com 200% nos primeiros quatro meses

faial horta 2O mês de Abril apresentou um decréscimo no país de 12,9% nas insolvências, com um total de 433 empresas insolventes, menos 64 que no período homólogo de 2018. 

O acumulado totaliza 1.941 insolvências e é inferior aos valores registados nos últimos três anos.

A informação é da Iberinform, uma filial da Crédito y Caución, que oferece soluções de gestão de clientes para as áreas financeiras, de marketing e internacional

Nos primeiros quatro meses deste ano foram requeridas 393 declarações de insolvências (-22% que em 2018), enquanto as apresentações à insolvência pelas próprias empresas baixaram de 499 para 417 (-16,4%). 

Os encerramentos com plano de insolvência tiveram uma quebra de 41,4% (de 29 em 2018 para 17 em 2019). 

No período em análise foi declarada a insolvência de 1.114 empresas (esta ação corresponde ao encerramento de processos), o que traduz um incremento de 20,9% relativamente a 2018. 

Porto e Lisboa permanecem os distritos com o valor de insolvências mais elevado, 510 e 407 respectivamente. 

No entanto, enquanto a capital regista uma diminuição de 28,8% face aos primeiros quatro meses do ano passado, a cidade invicta sofre uma subida de 21,4%.

São dez os distritos com aumentos nas insolvências no primeiro quadrimestre de 2019. 

Este grupo (que representa 58,8% do total de insolvências) é liderado pelos distritos da Horta (200%), Braga (47,4%) e Faro (45,3%). 

Nove distritos (36,2% do total) apresentam uma diminuição em relação a 2018, com as baixas mais acentuadas em Vila Real (-64,7%), Évora (-47,8%) e Lisboa (de 572 em 2018 para 407 em 2019). Beja (11 insolvências), Leiria (77) e Angra do Heroísmo (8) têm uma variação nula.

Por sectores, os principais decréscimos verificam-se na Eletricidade, Gás, Água (-57,1%), Indústria Extrativa (-50%) e Comércio por Grosso (-17,9%). 

Os aumentos mais significativos pertencem às Telecomunicações (100%), Indústria Transformadora (31,4%) e Transportes (18,2%).

 

Constituições baixam 3,1% em Abril 

 

A constituição de empresas em Abril registou uma redução de 3,1%, com menos 119 empresas que em 2018. 

Contudo, o acumulado no final do primeiro quadrimestre do ano totaliza 19.719 novas empresas, mais 14,6% que em 2018, com uma média mensal de 4.930 constituições, valor que supera as médias dos dois anos anteriores.  

Todos os distritos apresentam aumentos nas constituições. 

Os valores mais significativos verificam-se em Lisboa (6.250 novas empresas), Porto (3.613) e Setúbal (1.522); no conjunto estes distritos representam 57,7% do total nacional. 

As maiores variações homólogas pertencem aos distritos da Horta (88,2%), Bragança (53,4%) e Castelo Branco (31,4%).  

Há excepção das Telecomunicações com uma redução de 2,4%, todos os sectores crescem face ao ano passado. 

Os maiores aumentos verificam-se nos Transportes (126,7%), Indústria Extrativa (42,9%) e Construção e Obras Públicas (42,4%). 

Hospitais atrasam novamente pagamentos de cerca de 10 milhões de euros

Hospital interiorOs hospitais da região, essencialmente o de Ponta Delgada e Angra do Heroísmo, devem aos fornecedores de medicamentos entre 8 e 10 milhões de euros, estando o atraso no pagamento outra vez em vários meses, à semelhança do que aconteceu no ano passado.

A denúncia é feita pelo Presidente da Câmara do Comércio e Indústria dos Açores, Mário Fortuna, em nome dos empresários do sector, que se sentem revoltados por uma situação “que é crónica, que já vem desde há 5 anos e que é insustentável”.

de acordo com o líder dos empresários, “é incompreensível e inadmissível esta situação, porque kina a confiança das empresas, do sistema económico e do próprio sector da saúde, porque acaba por pagar mais caro”.

O empresário explica que estes atrasos por parte do governo “obrigam as empresas a atrasar pagamentos a outras empresas e a recorrer à banca para cumprir os seus compromissos com os seus trabalhadores, é um péssimo exemplo”.

E acrescenta: “o Governo regional que peça um resgate para pagar o que deve, porque isto vem sendo crónico nos últimos anos. Quando as empresas falham o pagamento ao Estado são multadas e pagam com juros, já os hospitais recusam pagar juros aos fornecedores, o que cria uma enorme desigualdade e um problema grave para as empresas”.

“Tudo isto tem um efeito de contaminação”, conclui.

Em declarações à Antena 1 Açores o Secretário Regional da Saúde, Rui Luís, confirma os atrasos nos pagamentos, mas garante que o governo tem vindo a saldar as contas com os fornecedores, reconhecendo que tem havido um aumento de consumo de medicamentos e de gastos, daí o acumular das despesas.

Faz agora um ano que a Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada denunciou atrasos, alguns superiores a um ano, no pagamento a fornecedores dos hospitais a nível de “produtos farmacêuticos, dispositivos médicos, equipamentos e outros bens de consumo”. 

No final do ano algumas dívidas foram saldadas, mas agora voltou tudo ao princípio neste final de trimestre.

Passageiros desembarcados em Abril aumentaram 13,8%

Aeroporto PDLEm Abril de 2019, desembarcaram nos aeroportos dos Açores, 147.252 passageiros, um aumento de 13,8% face ao mesmo mês de 2018. 8. 

Os passageiros desembarcados com origem noutras regiões do território nacional atingiram 77.321, apresentando uma variação homóloga positiva de 19,8%, e os com origem no estrangeiro foram 12.274, originando um decréscimo homólogo de 14,6%.

Nos últimos três meses, desembarcaram nos aeroportos dos Açores, mais 7,4% de passageiros que em igual período de 2018, enquanto que nos últimos 6 meses, verificou-se, igualmente, uma variação homóloga positiva, de 6,5%. 

A ilha com maior número de passageiros desembarcados no mês de Abril foi a de São Miguel com 87.357, seguida da Terceira com 26.448 e do Faial 10.260. A ilha que apresentou maior crescimento homólogo mensal foi a do Faial com 19,5%, seguindo-se a Terceira com 18,9%, Graciosa (17,9%) e Flores com 16,3%. 

Em sentido inverso, a ilha do Corvo registou decréscimo mensal homólogo no desembarque de passageiros de 15,4%.

A ilha que apresentou maior variação homóloga positiva nos últimos 3 meses foi igualmente a do Faial (13,7%), seguida das Flores com 11,7%. 

Quanto ao acumulado dos últimos 6 meses, a ilha que verificou maior variação homóloga positiva foi igualmente a do Faial com 12,8%, seguida da Graciosa (7,6%), São Miguel (7,2%), Flores (6,2%) e Corvo com 6,1%.

Dia Nacional do Cientista será em São Miguel com várias iniciativas

Manuel Heitor1A quarta edição do ciclo anual de conferências Caminhos do Conhecimento, de homenagem a José Mariano Gago, no dia do seu nascimento, vai decorrer no Teatro Micaelense, no próximo dia 16 de Maio, no âmbito do  Dia Nacional do Cientista.

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído por Resolução da Assembleia da República, com o objectivo de celebrar e reconhecer a contribuição histórica, relevante e inovadora da comunidade científica para o avanço do conhecimento e, assim, para o progresso e o bem-estar da sociedade.

 Do programa, a que o nosso jornal teve acesso, consta, das 10 às 14 horas um Festival de Ciência, na praça do Teatro Micaelense, em que o  Expolab – Centro Ciência Viva, em colaboração com os Centros de Ciência dos Açores, dinamiza, entre outras actividades, observações do Sol, demonstrações sobre o mar profundo e o lançamento de “mini-foguetões”, com a colaboração especial de cientistas convidados. 

As actividades culminam com uma “reacção em cadeia” organizada por alunos das escolas de Ponta Delgada, dando as boas-vindas aos participantes da quarta edição do ciclo anual de conferências “Caminhos do Conhecimento”.

Das 14 às 18 horas terá lugar a conferência “Caminhos do Conhecimento”, estando a abertura a cargo de Rosalia Vargas, Presidente da Ciência Viva, Alexandre Quintanilha, Presidente da Comissa?o Parlamentar de Educaça?o e Ciência, e Vasco Cordeiro, Presidente do  Governo Regional dos Açores.

Segue-se o painel “Ciência e Desenvolvimento: Na rota de Fernão de Magalhães”, com intervenção do convidado Onésimo Teotónio de Almeida, professor na Brown University, Providence, Rhode Island, EUA, que abordará “A Ciência no Portugal da Expansão: pensar o futuro com história e cultura”.

A apresentação estará cargo de Rosalia Vargas, da Ciência Viva, e o Comentário a cargo de João Luis Gaspar, Reitor da Universidade dos Açores.

Às 15:30 segue-se o painel “Conhecimento do Atlântico: Do mar profundo à observação do  oceano”, tendo como orador convidado Joaquim Hernandez-Brito, do AIR CENTRE, sendo moderadores Ricard Guerrero, da Academia Europaea, e José Álamo de Meneses, Presidente da Câmara de Angra Heroísmo.

Os Comentários estarão a cargo de Mariana Marques, do ENTA, CanSat, Ana Colaço, do Okeanos, Universidade dos Açores, Christopher Pham, do Okeanos, Universidade dos Açores, Nuno Lourenço, do CEIIA, Mário Rui Pinho, da Universidade dos Açores, e Teresa Tiago, também da Universidade dos Açores.

Às 16:30 será a vez do painel “Conhecimento do espaço”, sendo oradora Chiara Manfletti, Directora da “Portugal Space”, Agência Espacial Portuguesa, o Moderador será Arnaldo Machado, Presidente do Conselho de Administração do NONAGON, e os Comentários estarão a cargo de Ricardo Sousa, da Edisoft, Ricardo Conde, da Edisoft, Luísa Bastos, da Universidade do Porto, Luís Santos, da Portugal Space, Agência Espacial Portuguesa, e Gabriela Queiroz, do IVAR, Universidade dos Açores.

Às 17:30 decorrerá o fecho e apresentação do livro “Caminhos do conhecimento, 2018”, com intervenções de Gui Menezes, Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, e Manuel Heitor, Ministro da Cie?ncia, Tecnologia e Ensino Superior

No final da sessão será assinado um Protocolo de colaboração entre o Governo Regional dos Açores, através da Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia e a Ciência Viva.