Artigos

Autarquia cria bolsa de voluntariado para apoiar idosos da Ribeira Grande

Ribeira Grande

A Câmara Municipal da Ribeira Grande anunciou a criação de uma bolsa de voluntariado para dar respostas sociais de apoio à população idosa, no âmbito da pandemia Covid-19, e como medida de prevenção “para fazer face a qualquer situação de eventual ruptura de recursos humanos”.

“A bolsa de voluntariado para apoio a idosos é destinada a todos os cidadãos que tenham disponibilidade para prestar apoio aos idosos da Ribeira Grande, cujas competências vão desde a alimentação à higiene diária, entre outras”, explica o município em nota de imprensa.

As candidaturas para a bolsa encontram-se abertas e podem inscrever-se “todas as pessoas que reúnam competências para o efeito, com ou sem experiência na área, com disponibilidade para trabalhar por turnos, com idade inferior aos 55 anos e saudáveis”.

A Câmara da Ribeira Grande reserva-se ao direito de não considerar como válidas as inscrições de cidadãos com histórico de doenças que pertençam aos grupos de risco que estão referenciados pela Direcção Geral de Saúde.

“A Câmara da Ribeira Grande apela a todos aqueles que possam contribuir para o bem-estar e segurança dos nossos idosos que se inscrevam na bolsa de voluntariado. A solidariedade é um acto nobre, altruísta e de enorme valor para quem precisa de ajuda”, salienta a Vice-presidente da autarquia, citada na mesma nota.

Tânia Fonseca sublinhou que “o contributo que cada um de nós poderá dar na minimização das consequências que a pandemia poderá vir a ter é de enorme importância para vencermos a luta pela sobrevivência dos nossos idosos, população que merece todo o nosso respeito e consideração.”

Festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres suspensa pela primeira vez

Santo Cristo 2015A festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres agendada para 15, 16 e 17 de Maio foi suspensa tendo em conta a situação de pandemia que a região, o país e o mundo enfrentam, e que determinou a declaração do estado de emergência nacional.

“Quando as condições sanitárias o permitirem e a normalidade estiver reposta a questão da celebração desta festa será reequacionada” garantiu o Reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo, Cónego Adriano Borges, ao Sítio Igreja Açores depois de uma reunião com todos os envolvidos na organização e preparação da festa.

A suspensão da festa é, por outro lado, um sinal de “responsabilidade que queremos dar”, ainda que tenha sido uma decisão “difícil” pois é a primeira vez na história deste culto que as festas não se realizam.

“A nossa mensagem tem sido a de um constante apelo à responsabilidade; que toda a gente fique em casa, se proteja, se resguarde porque assim está a tomar conta de si mas também a contribuir para o bem comum”; por isso, “a suspensão da festa” era a “única possibilidade”. Em causa está não só a festa mas todos os preparativos que exigiriam tempo e uma normalidade que nem a região nem o país permitem.

O cónego Adriano Borges garante, no entanto, que mal a situação o permita, a imagem sairá excepcionalmente à rua para uma celebração de acção de graças.

“Todos os dias celebro com as Irmãs religiosas de Maria Imaculada (zeladoras da imagem), na Capela do Senhor Santo Cristo e todos os dias rezamos por todos, desde profissionais de saúde aos que continuam a trabalhar para que não nos falte nada” adiantou ainda o sacerdote que deixa uma palavra para os mais vulneráveis.

“Temos sempre nas nossas intenções os mais idosos, os que sofrem, os que são directa ou indirectamente vitimas desta pandemia, todos os que são vulneráveis e todos os que têm de continuar a trabalhar para nos salvar vidas, nos alimentar ou garantir a higiene e a segurança dos nossos espaços”, acrescentou.

O reitor deixou ainda uma palavra para os açorianos da diáspora, devotos do Senhor Santo Cristo, para que compreendam esta suspensão.

As festas do Senhor Santo Cristo são uma oportunidade para a visita de milhares de açorianos emigrantes. Este ano as festas seriam presididas pelo cardeal português D. José Tolentino Mendonça.

As festas do Senhor Santo Cristo acontecem no quinto Domingo a seguir à Páscoa e são porventura uma das maiores expressões da religiosidade popular açoriana. Nunca antes a festa deixou de se realizar e só uma vez a sua data foi mudada para coincidir com a ida aos Açores da comitiva régia liderada pelo Rei D. Carlos e pela Rainha D. Amélia. Fora esta situação extraordinária a imagem saiu apenas uma vez para o Campo de São Francisco aquando da visita papal de São João Paulo II aos Açores, em maio de 1991.

 

Festas do Espírito Santo de Ponta Delgada canceladas

 

À semelhança do que outras autarquias estão a fazer, também a Câmara Municipal de Ponta Delgada decidiu prorrogar todas as medidas municipais de carácter excepcional para além do dia 31 de Março e enquanto vigorar o actual estado de excepção. Neste sentido, a autarquia decidiu cancelar a comemoração oficial dos 474 anos da Cidade de Ponta Delgada, no próximo dia 2 de Abril, bem como suspender a celebração pública do feriado municipal de Ponta Delgada, associado à Segunda-feira do Senhor Santo Cristo dos Milagres, no próximo dia 18 de Maio. Do mesmo modo, a maior autarquia dos Açores também decidiu cancelar a realização das XVII Grandes Festas do Divino Espírito Santo do Concelho de Ponta Delgada, prevista para os dias 9 a 12 de Julho.

 

Impérios do Espírito Santo

estão a ser cancelados

 

As festas relacionadas com o culto ao Divino Espírito Santo, uma das marcas da religiosidade popular açoriana também estão a ser canceladas por tofas as ilhas dos Açores. Muitos já foram os mordomos que anunciaram o cancelamento dos impérios para 2020. As Domingas começariam no primeiro Domingo de Páscoa e prologar-se-iam até à Trindade, alturas que nos Açores se vive intensamente o Espírito Santo.

Segundo as orientações dos vários Impérios o esquema das sortes tiradas para este ano manter-se-á em 2021 o que faz com que mordomos, imperadores e colectividades mantenham os mesmos protagonistas em 2021.

Três detenções por desobediência e incumprimento de isolamento

PSP3

A Polícia de Segurança Pública (PSP) da esquadra das Capelas deteve, por desobediência, um homem que “furou” a quarentena obrigatória.

O homem de 26 anos foi detido no domingo, dia 29 de Março, “por incumprimento do isolamento profiláctico obrigatório a que estava sujeito pela Autoridade de Saúde de Ponta Delgada desde o dia 18 de Março até ao dia 01 de Abril”, refere a PSP em comunicado.

Outros dois jovens, de 18 e 19 anos, foram detidos na última sexta-feira, dia 27, em Rabo de Peixe, por desobediência. Os dois indivíduos, “depois de abordados na via pública e após terem sido notificados do dever de recolhimento e todas as condições determinadas pelo Conselho de Ministros de 20 de MARço de 2020”, foram “interceptados momentos depois, novamente na via pública sem justificação aparente”, explica a PSP.

 

FLAD doa 100 mil euros aos bancos alimentares dos Açores

banco alimentarA Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) decidiu doar 100 mil euros aos bancos alimentares dos Açores, situados nas ilhas de São Miguel e Terceira. O apoio é parte de uma doação de 350 mil euros feita à a nível nacional à Rede de Emergência Alimentar do Banco Alimentar Contra a Fome.

O objectivo é apoiar a população mais vulnerável que perdeu rendimentos e viu o apoio prestado pelas instituições de solidariedade social severamente limitado devido à pandemia Covid-19, refere a FLAD, em comunicado. 

A parceria com o Banco Alimentar Contra a Fome é um primeiro passo da intervenção social da FLAD, que está neste momento a analisar outras iniciativas.

“Estamos a viver um momento de excepção ao qual temos de responder. Há muitas pessoas a viver uma situação difícil e a precisar de apoio, e acreditamos que, enquanto fundação portuguesa, a FLAD deve estar atenta e agir no âmbito da nossa responsabilidade social. Quisemos associar-nos a uma instituição com a estrutura já montada e capacidade para agir rapidamente no terreno”, afirma Rita Faden, presidente da FLAD. 

Já Isabel Jonet, presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, salienta que “a mobilização de toda a sociedade neste momento tão difícil reveste-se de importância acrescida e contribui para a coesão social”. “O apoio da FLAD, tão relevante pela dimensão e celeridade, permitirá garantir a muitas famílias que ficaram sem recursos ou apoios a alimentação de que necessitam. A gratidão que expressamos é em nome destas famílias que poderão enfrentar os próximos tempos com um apoio indispensável para a sua vida”, acrescenta a responsável pela Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome.

Medidas de apoio ao rendimento disponível das famílias já estão em vigor

Ponta Delgada vista aerea

O Governo dos Açores está a implementar as medidas “imediatas” de apoio ao rendimento disponível das famílias, que visam minimizar as consequências na vida dos açorianos da situação resultante da pandemia de Covid-19.

Estas medidas, segundo uma resolução do Conselho do Governo ontem publicada em Jornal Oficial, visam a criação e atribuição do Complemento Regional de Apoio ao Rendimento Disponível das Famílias, assim como o reforço de 30%, nos meses de Abril, Maio e Junho, do apoio à renda atribuído pela Direcção Regional da Habitação às famílias açorianas beneficiárias do programa Famílias com Futuro, na vertente de Incentivo ao Arrendamento.

O documento prevê ainda a suspensão do pagamento das rendas referentes aos meses de Abril, Maio e Junho devidas pelos inquilinos da Região com contratos de arrendamento e de subarrendamento com opção de compra e a isenção do pagamento do valor da renda, nos meses de Abril, Maio e Junho, devida pelos inquilinos da Região beneficiários do programa Famílias com Futuro, na vertente de Grave Carência Habitacional, em regime de Arrendamento Apoiado.

Estas famílias serão informadas por ofício, enviado esta semana a mais de 2.300 famílias açorianas, explicando o que foi decidido sobre as suas rendas mensais nos próximos três meses.

A resolução prevê ainda o prolongamento da isenção do pagamento de mensalidades nas valências de creche, jardim de infância, amas, centros de actividades de tempos livres, centros de dia e de noite e centros de actividades ocupacionais asseguradas pela Instituições Particulares de Solidariedade Social e Misericórdias ao abrigo de contratos de cooperação valor cliente celebrados com o Instituto de Segurança Social dos Açores, pelo período que durar o encerramento destas respostas sociais.

Será também prolongado o regime de distribuição de almoço durante o período de férias e interrupções lectivas previsto no Decreto Legislativo Regional n.º 5/2014/A, de 28 de Março, até que seja retomado o regular funcionamento dos estabelecimentos de educação pré-escolar e de escolaridade obrigatória que integram o Sistema Educativo Regional.

O diploma suspende igualmente as penhoras activas a favor do Instituto de Segurança Social dos Açores até à cessação da situação excepcional de prevenção, contenção, mitigação e tratamento da infecção epidemiológica por SAR-COV-2, que provoca a doença Covid-19.