Vasco Cordeiro destaca património natural como activo do desenvolvimento da Região

  • Imprimir

Vasco Cordeiro - 1ª pedra Azores Wine Company

O Presidente do Governo destacou ontem o potencial que o património natural dos Açores apesenta como activo para o desenvolvimento da Região em várias áreas, apontando como exemplo o impulso renovado que se tem verificado no sector vitivinícola na ilha do Pico.

“Eu sou daqueles que acredita que nós podemos rentabilizar muito do património que temos aos mais variados níveis, transformando-o em activos actuais de desenvolvimento da nossa Região”, afirmou Vasco Cordeiro, que falava no lançamento da primeira pedra da construção da adega da empresa Azores Wine Company.

Nesse sentido, Vasco Cordeiro salientou que o executivo açoriano tem implementado medidas para rentabilizar, cada vez mais, este potencial da vinha e do vinho na Região, dando resposta ao “impulso privado” que se verifica neste sector, não apenas ao nível da manutenção da paisagem, mas também como atividade económica geradora de riqueza e de emprego.

“Naquilo que tem a ver com a área da Paisagem Protegida da Vinha da Ilha do Pico, tínhamos, há cerca de 10 anos, cerca de 100 hectares que estavam em produção. Actualmente, se contabilizarmos o que está em produção, os contratos de manutenção e os projetos já execução de recuperação da vinha, estamos a falar de mais de 800 hectares de vinha”, destacou Vasco Cordeiro.

“Esta evolução é bem demonstrativa do trajecto que temos vindo a fazer e da resposta que estes sistemas de incentivos têm tido por parte das entidades privadas”, assegurou o Presidente do Governo, ao salientar a necessidade de garantir sempre a sustentabilidade destes projectos, quer para os seus promotores, quer para as comunidades onde se inserem.

No lançamento da obra desta nova adega, Vasco Cordeiro salientou, por outro lado, que todos os valores associados ao património natural da ilha do Pico e a este sector de actividade estão, no âmbito destes projectos de investimento, colocados à guarda dos respectivos promotores.

“São os produtores os primeiros interessados em zelar pelo reforço e pela manutenção de tudo aquilo que são factores de valorização deste património, a genuinidade, a confiança e a autenticidade”, referiu o Presidente do Governo.

Na sua intervenção, Vasco Cordeiro sublinhou ainda que estas parcerias entre o Governo e as entidades privadas demonstram o potencial que é necessário, cada vez mais, desenvolver e reforçar nas mais variadas áreas de actividade.

“Não nos podemos dar por satisfeitos e temos de manter essa postura de proactividade, de dinamismo e de exigência para connosco próprios”, concluiu o Presidente do Governo.

A nova adega da Azores Wine Company, que representa um investimento de cerca de três milhões de euros apoiado por fundos comunitários, engloba também vários apartamentos turísticos, espaços para prova e venda de vinhos, entre uma série de outras funcionalidades.