São Jorge: Promoção do queijo dos Açores tem sido feita em múltiplas dimensões

  • Imprimir

Queijo São Jorge1

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou ontem que a promoção do queijo de São Jorge, em particular, e dos produtos lácteos açorianos, em geral, tem vindo a ser feita em múltiplas dimensões, no país e no estrangeiro, contribuindo para a notabilização dos produtos e a abertura de novos mercados, que vão muito para além de uma campanha de marketing em contínuo.

“Quem trabalha com os mercados sabe muito bem que a notoriedade, a conquista de novos mercados e a valorização de uma marca não se consegue com campanhas de marketing em contínuo. As campanhas são importantes, mas primeiro é preciso estudar os mercados alvo, a eventual aceitação do produto, escolher os meios, o público alvo, garantir o financiamento e só depois vem a campanha”, referiu João Ponte.

O governante falava à margem de uma reunião com a Direcção da União de Cooperativas Agrícolas de Lacticínios de São Jorge (Uniqueijo), no primeiro dia da visita estatutária do Governo à ilha de São Jorge.

João Ponte frisou que foi esta a estratégia seguida pela Uniqueijo quando lançou uma campanha de marketing a nível nacional, que foi apoiada pelo Governo dos Açores.

Não menos importante é também o trabalho de parceria entre o Governo dos Açores e a Uniqueijo para a abertura de novos mercados, que sejam capazes de valorizar mais o queijo de São Jorge, bem como o trabalho desenvolvido pela SDEA, com a presença em múltiplos certames e no âmbito da Marca Açores.

Para João Ponte, o papel da Confraria do Queijo de São Jorge e a presença anual dos Açores no concurso nacional de queijos são outros bons exemplos das diferentes dimensões da promoção que tem sido feita do queijo de São Jorge.

O Secretário Regional destacou também a campanha de promoção do queijo dos Açores que será promovida pelo Centro Açoriano de Leite e Lacticínios (CALL) no Canadá, durante três anos, conjugada com o novo acordo CETA, que será “uma grande oportunidade para os queijos dos Açores reforçarem a sua presença no mercado do Canadá”.

“A campanha de marketing, por si só, não resolve nada. É preciso que as indústrias se preparem e trabalhem os mercados nas suas múltiplas oportunidades”, considerou o governante, alegando que é, deste modo, que se aumenta o rendimento, “através da valorização do queijo, que é fundamental para a sustentabilidade da agricultura e sector leiteiro na Região”.

João Ponte destacou também o projecto da Uniqueijo, aprovado no âmbito do PRORURAL+, que visa a valorização do leite de São Jorge, através da introdução de ajustamentos inovadores com implantação de linha de fabrico, cura/armazenamento e embalamento do queijo produzido.

“Os objectivos são o reforço da capacidade de armazenamento/cura e acabamento de queijo São Jorge e Ilha, a redução do impacto ambiental e a adequação à norma FSS22000, acompanhado de adequação da produção embalada em porções de menor peso e aposta em queijo DOP com maior tempo de cura, além do alargamento dos respectivos mercados”, disse João Ponte, acrescentando que o investimento aprovado foi de cerca de 916 mil euros.

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas procedeu ainda à entrega de 35 diplomas aos formandos dos cursos de Iniciação à Vitivinicultura e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos”, um momento simbólico que marca o culminar de várias horas de formação.

Especificamente sobre a formação de aplicadores de produtos fitofarmacêuticos, João Ponte considerou ser muito importante, pois permite aos formandos ter maior consciência e conhecimento sobre os cuidados a ter no manuseamento dos produtos fitofármacos e a forma correcta de os aplicar, contribuindo para garantir a produção de produtos com qualidade, que respeitam a segurança alimentar e reforçam a confiança dos consumidores nos produtos dos Açores.

Em 2019, o Governo dos Açores vai investir 325 mil euros em acções de formação, envolvendo 2.100 formandos, sendo que para a ilha de São Jorge estão previstos 24 cursos, envolvendo 530 formandos.