Salários aumentaram em todas as regiões do país menos nos Açores

euros

Os salários aumentaram em quase todas as regiões do país, registando uma quebra apenas na Região Autónoma dos Açores, revela o jornal ECO online citando dados do INE. 

O Centro e a Área Metropolitana de Lisboa registaram as maiores subidas, ambas superiores a 4%. 

Lisboa é, também, a região com o rendimento médio mais elevado, de 1.032 euros no ano passado.

De acordo com os dados do INE citados por aquele jornal, o rendimento salarial médio líquido subiu 3,74% no ano passado, totalizando os 888 euros. 

Há também menos pessoas nos dois escalões salariais inferiores, abaixo dos 600 euros.

Não só a taxa de desemprego caiu e a criação de postos de trabalho aumentou no ano passado, como os salários aumentaram em 2018 a um ritmo mais acelerado do que se tem verificado nos últimos anos. 

Em 2018, segundo os dados divulgados quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o rendimento salarial médio dos trabalhadores por conta de outrem aumentou quase 4% face a 2017. 

Ao mesmo tempo, há menos pessoas nos dois escalões salariais inferiores, abaixo dos 600 euros.

A nível nacional, o rendimento salarial médio mensal líquido dos trabalhadores por conta de outrem foi de 888 euros no ano passado, o que representa uma subida de 3,74% em relação ao rendimento médio de 856 euros que se registava em 2017. 

Este é o crescimento mais acelerado desde 2011, ano em que a subida foi de 3,8%. 

A acompanhar a evolução dos salários, há menos pessoas a ganharem salários mais baixos. 

No ano passado, do total de cerca de quatro milhões de pessoas empregadas por conta de outrem, 109,5 mil recebiam menos de 310 euros e outras 848,8 mil recebiam entre 310 e 600 euros — que, no início deste ano, passou a ser o salário mínimo nacional. Significa isto que, no ano passado, a proporção de trabalhadores por conta de outrem a receberem abaixo de 600 euros caiu para 23,6%, ou seja, menos de um quarto do total. 

Em 2017, esta proporção era de 28%.

Por outro lado, está a aumentar o número de pessoas com salários mais elevados. 

A maioria dos trabalhadores por conta de outrem mantém-se no escalão de 600 a 900 euros mensais, num total de 1.369 trabalhadores (o equivalente a 33,8% do total, mais do que os 31,5% registados em 2017).

Já o número de trabalhadores a ganhar entre 900 e 1.200 euros aumentou para 533,7 mil (13,2% do total, acima dos 12,8% registados no ano anterior), enquanto as pessoas a ganharem entre 1.200 e 1.800 euros passaram a ser 514,4 mil (12,7% do total, acima dos 12,1% registados em 2017).

Contam-se ainda 141,3 mil pessoas a ganhar entre 1.800 e 2.500 euros por mês, 29,3 mil com um rendimento de 2.500 a 3.000 euros e outras 37,6 mil a ganharem mais de 3.000 euros.