Paulo Alexandre Monteiro fala sobre arqueologia subaquática nos Açores em conferência

arqueologia subaquáticaA Secretaria Regional da Educação e Cultura, através da Direcção Regional da Cultura, promove amanhã, às 18h00, no Palacete Silveira e Paulo, em Angra do Heroísmo, a realização de uma conferência intitulada “Arqueologia subaquática nos Açores. Realidades, estratégias e desafios”, que será proferida por Paulo Alexandre Monteiro.

A arqueologia subaquática nos Açores assumiu um carácter de vanguarda dentro desta área, tratando-se da vertente mais pioneira na Região, mantendo a Direcção Regional da Cultura uma estratégia para esse património cultural que envolve a sua promoção, enquanto produto turístico, e a sua salvaguarda, enquanto bem patrimonial que reúne uma herança histórica comum a todas as nações que passaram pelo arquipélago, porto de escala no Atlântico.

Essa estratégia tem as suas origens nos trabalhos efectuados na baía de Angra do Heroísmo durante a década de 90 do século XX.

O arqueólogo Paulo Alexandre Monteiro, membro da Academia da Marinha e investigador associado dos Institutos de Arqueologia e Paleociências e de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, bem como da Texas A&M University e da University of Western Australia, começou a sua carreira em arqueologia subaquática em Angra do Heroísmo em 1995, onde traçou uma primeira versão da Carta Arqueológica Subaquática dos Açores.

Dirigiu trabalhos arqueológicos um pouco por todo o país e participou em vários projectos internacionais na Austrália, nas Caraíbas, em Omã, em Moçambique e na Namíbia, assumindo-se como um dos maiores defensores do combate à caça ao tesouro.