Somos a região do país com menos farmácias por 100 mil habitantes

Farmácia

Os Açores são a região do país com menos farmácias por 100 mil habitantes, de acordo com as “Estatísticas da Saúde” agora divulgadas pelo INE. A agravar a situação, os Açores possuem seis farmácias em risco de encerramento, duas por enfrentarem processos de insolvência e quatro processos de penhora. As seis farmácias em risco de encerramento correspondem a 11,1% das farmácias do arquipélago nesta situação.

 

Segundo o INE, em 2017, a nível nacional, manteve-se em 28 o número médio de farmácias por 100 mil habitantes. 

Por região, era a população residente no Alentejo e no Centro que dispunha de um maior número de farmácias, respectivamente 49 e 36 farmácias por 100 mil habitantes. 

Na Região Autónoma dos Açores existiam apenas 22 farmácias por 100 mil habitantes.

Ainda de acordo com a publicação do INE, a inclusão dos postos farmacêuticos móveis traduziu-se, em média, em mais 2 estabelecimentos farmacêuticos disponíveis por 100 mil habitantes, ou seja, 30 estabelecimentos por 100 mil habitantes no conjunto das farmácias e dos postos farmacêuticos móveis. 

Tendo em conta a distribuição geográfica destes serviços móveis, verifica-se que o seu impacto foi particularmente significativo para a população residente na região do Alentejo (11 postos farmacêuticos móveis por 100 mil habitantes) e na Região Autónoma dos Açores (mais de 7 postos por 100 mil habitantes). 

Existem nos Açores 54 farmácias, das quais duas enfrentam processos de insolvência e quatro apresentam processos de penhora, conforme confirmou ao nosso jornal o presidente da Associação Nacional das Farmácias, Pedro Cleto Duarte, alertando: “Se não forem tomadas medidas, vai acontecer às farmácias de proximidade o mesmo que já aconteceu, neste século, a muitos outros serviços. Já fecharam cerca de mil extensões de centros de saúde e mais de 5 mil escolas primárias. As farmácias não deixam de existir, mas para subsistirem terão de ficar mais concentradas nos centros urbanos, longe das populações mais isoladas”.