Região com “regime simples de apoios estruturados” para cuidadores informais, afirma Andreia Cardoso S

Andreia Cardoso - comissão 2

A Secretária Regional da Solidariedade Social afirmou ontem no Parlamento que o regime jurídico de apoio ao cuidador informal cria “um regime simples de apoios estruturados” e “garante um conjunto de direitos” aos cuidadores.

“Este diploma, no fundo, congrega a sensibilidade que fomos conseguindo ter e a percepção que fomos tendo das necessidades dos cuidadores”, sublinhou Andreia Cardoso, em declarações aos jornalistas, à margem da audição na Comissão Permanente dos Assuntos Sociais, sobre a proposta de Decreto Legislativo Regional que estabelece Regime Jurídico de Apoio ao Cuidador Informal na Região Autónoma dos Açores.

Segundo disse a Secretária Regional, este diploma surge porque o conhecimento disponível aponta para o crescimento dos cuidadores informais nos últimos anos, “pelo que se torna necessário propiciar as condições necessárias para que tenham apoio nessa missão, capacitando-os para a prestação de cuidados e para a promoção e manutenção do seu bem-estar”.

“Perante o esforço que lhe é exigido, é normal que o cuidador por vezes sinta dificuldades para lidar com a situação. Estes apoios permitem, portanto, responder às necessidades do cuidador, fazendo com que este se sinta mais seguro e valorizado”, explicou.

Andreia Cardoso referiu as medidas previstas no documento que se assumem como os direitos do cuidador informal, designadamente, a informação e formação; o apoio psicossocial e psicológico e o apoio na prestação de cuidados; um sistema de folgas; um período de descanso anual; um apoio para intervenção habitacional; a integração em grupos de autoajuda; o acesso a cuidados de saúde e um apoio financeiro.

“Tendo em conta que o cuidador informal é a pessoa que presta cuidados a um doente com necessidades permanentes no domicílio, sem auferir qualquer retribuição financeira ou outra, é nossa obrigação apoiá-los, na medida em que a presença de um doente com estas características no domicílio altera significativamente as rotinas do cuidador e as suas prioridades”, acrescentou a Secretária Regional.

Este Regime Jurídico de Apoio ao Cuidador Informal compreende um conjunto de apoios destinados a todos aqueles que, nos Açores, têm a seu cargo pessoas com dependência, no sentido de assegurar um conjunto de direitos que permitam aliviar o impacto que esta situação tem nas suas vidas.

Mais Lidas nos últimos 3 dias