Senador John Correia distinguido pelo Município de Ponta Delgada

senador jonh correia homenagemO Município de Ponta Delgada atribuiu, Segunda-feira, a Medalha de Mérito Municipal ao Senador e Comendador John Correia, reconhecendo “os seus feitos na sua vida e na nossa comunidade”.

José Manuel Bolieiro, na cerimónia que teve lugar no Salão Nobre dos Paços do Concelho,  expressou, em nome pessoal e do Município, “a  gratidão e o orgulho que temos em toda a nossa comunidade e em cada um que fez das dificuldades uma oportunidade para vencer na vida e honrar as suas origens nos mais longínquos lugares eventualmente adversos  quanto a uma primeira chegada”. 

Um reconhecimento que é acompanhado por referências concretas. Este ano, sob proposta da Comissão Municipal de Toponímia, Distinções Honoríficas e Património Cultural o Município de Ponta Delgada distinguiu o “ilustre arrifense” John Correia, que já havia recebido a Medalha de Comendador pelo Presidente da República.

Na ocasião, o Presidente do Município enalteceu a capacidade do pontadelgadense João Correia,  aprendiz de canalizador nos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento, de “procurar ir longe das circunstâncias actuais, enfrentando novos desafios e construindo novas circunstâncias”. “Das oportunidades que procurou e desafios que encontrou, soube sair vencedor, o que se constitui como um motivo de orgulho para si e para a sua família, mas também para aqueles que foram o seu berço”, sustentou José Manuel Bolieiro. 

O edil também destacou o simbolismo de homenagear, na pessoa de John Correia, a diáspora açoriana do sonho americano, em pleno feriado municipal da Segunda-feira do Senhor Santo Cristo dos Milagres e no mais nobre salão da cidade. 

“Aos 80 anos de vida extraordinária de João Jacinto Faria Correia faltava acrescentar este dia. Com simbolismo, reconhecimento e memória”, como lembrou José Andrade, autor do livro, lançado Segunda-feira, “John Correia – de aprendiz de canalizador a Presidente do Senado”. José Andrade sustentou que a vida de João Correia é um testemunho exemplar de boa cidadania – na família, na profissão, na comunidade e na política.

João Bosco Mota Amaral, autor do prefácio, por seu turno, referiu tratar-se de um livro de “leitura obrigatória para quem se interessa em conhecer a saga dos emigrantes açorianos na América”. “Aqui está um livro que fazia falta: um trabalho de investigação biográfica sobre um emigrante açoriano, contando as peripécias da sua decisão de emigrar, as dificuldades da sua implantação em terras americanas, o grande e meritório esforço para as vencer e, por fim, a evocação do seu sucesso, prestigiando a sua família e também os nossos Açores, sua terra de origem.”, acrescentou. 

John Correia, numa intervenção pautada pela forte emoção associada à gratidão, agradeceu ao Município de Ponta Delgada, na pessoa do seu Presidente, a homenagem. Deixou, igualmente, uma palavra de apreço a todos os que colaboram no livro e recordou alguns episódios da sua vida, evocando familiares e amigos. 

Recorde-se que a receita da venda do livro reverte integralmente a favor da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada. 

“John Correia – de aprendiz de canalizador a Presidente do Senado” foi lançado com a  chancela açoriana da Letras Lavadas Edições e terá também uma edição em língua inglesa, com lançamento previsto para o dia 10 de Novembro na cidade de East Providence. 

João Jacinto Faria Correia nasceu na freguesia açoriana dos Arrifes em 1939. Com 13 anos de idade, começou a trabalhar nos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Ponta Delgada, como aprendiz, mestre e encarregado.

Emigrou para os Estados Unidos da América em 1965. Como canalizador, trabalhou em bases navais e hospitais até criar a sua própria empresa comercial de canalizações e aquecimento.

Envolveu-se nas actividades cívicas da comunidade de acolhimento. Foi o primeiro Director português e Vice-presidente do East Providence Credit Union, co-fundador e primeiro presidente da Casa dos Açores do Estado de Rhode Island.

Em 1983, conseguiu ser o primeiro e, ainda, o único emigrante português a ser eleito para o Senado de Rhode Island. Recandidato vencedor em mais quatro mandatos, chegou a vice-presidente e, finalmente, a Presidente Pro Tempore do próprio Senado, tornando-se assim a terceira autoridade política do Estado.

Durante 10 anos, aumentou o salário mínimo em Rhode Island, garantiu as contrapartidas norte-americanas para os Açores e defendeu a identidade portuguesa na Nova Inglaterra.