Pode haver “interrupção brusca” no dinamismo do mercado imobiliário

banco de portugalO Banco de Portugal (BdP) alertou ontem para uma possível “interrupção brusca” do dinamismo do mercado imobiliário, considerando que “eventuais alterações no quadro regulamentar nacional”, juntamente com outros factores, podem fazer baixar os preços.

“O abrandamento mais acentuado da actividade económica a nível global, decorrente em particular da materialização de eventos de tensão geopolítica, aumentos dos prémios de risco e eventuais alterações no quadro regulamentar nacional sobre o mercado imobiliário poderão vir a traduzir-se numa interrupção brusca do dinamismo do imobiliário e, consequentemente, num ajustamento em baixa dos preços”, segundo o comunicado do Banco de Portugal que acompanha o relatório.

O supervisor considera que “o mercado imobiliário português continua a estar particularmente dependente da intervenção de não residentes, seja por via do turismo, seja por via do investimento directo”.

Esta situação constitui um potencial risco para a estabilidade financeira no caso de haver “uma eventual redução acentuada e brusca da procura de imóveis por não residentes”, de acordo com Banco de Portugal.

“No último ano, o mercado imobiliário português manteve um dinamismo elevado, com um reflexo directo no volume de transacções e crescimento dos preços. Esta dinâmica tem sido justificada pelo crescimento económico, (...) mas também pelo ambiente de baixas taxas de juro e elevada liquidez, o qual induz comportamentos de procura por rendibilidade por parte dos agentes económicos”, pode ler-se no relatório.

Neste sentido, o Banco de Portugal adverte que “os bancos portugueses continuam a concentrar uma parte significativa das suas exposições no mercado imobiliário - essencialmente por via do crédito à habitação -, apesar da ligeira redução observada desde 2016”.

“A dinâmica dos preços pode representar um risco para a estabilidade financeira se introduzir prociclicidade no crescimento do crédito, nomeadamente num contexto de valorização excessiva dos preços”, reforça o supervisor no relatório.

O Banco de Portugal considera ainda que “continua a existir evidência de alguma sobrevalorização dos preços da habitação a nível agregado”.