Estrangeiros estão a fugir da hotelaria tradicional

turista sete cidadesNa Região Autónoma dos Açores, no mês de Maio, no conjunto dos estabelecimentos hoteleiros, turismo no espaço rural e alojamento local, as dormidas atingiram 265,7 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo de 12,7%, revelou ontem o SREA. 

De Janeiro a Maio de 2019, no conjunto dos estabelecimentos hoteleiros (hotéis, hotéis-apartamentos, apartamentos turísticos e pousadas), do turismo no espaço rural e do alojamento local da Região Autónoma dos Açores registaram-se 878,1 mil dormidas, valor superior em 16,2% ao registado em igual período de 2018.

De Janeiro a Maio, os residentes em Portugal atingiram cerca de 448,0 mil dormidas, correspondendo a um acréscimo homólogo de 19,6%; os residentes no estrangeiro atingiram 430,2 mil dormidas, registando um aumento em termos homólogos de 12,8%.

Neste período registaram-se 290,4 mil hóspedes, apresentando uma taxa de variação positiva de 14,7% relativamente ao mesmo período de 2018.

No país, em maio, as dormidas registaram um acréscimo em termos homólogos de 3,9% e de Janeiro a Maio de 2019 apresentaram uma variação homóloga positiva de 4,1%. 

Em termos de variações homólogas acumuladas, de Janeiro a Maio, as ilhas da Graciosa, de São Miguel, das Flores, de São Jorge, do Pico e do Faial apresentaram variações homólogas positivas, respectivamente de, 30,5%, 23,5%, 17,7%, 8,1%, 6,9% e 6,1%. 

As ilhas da Terceira e de Santa Maria, apresentaram variações homólogas negativas, respectivamente de, 6,4% e 5,6%.

A ilha de S. Miguel com 641,9 mil dormidas concentrou 73,1% do total das dormidas, seguindo-se a Terceira com 120,2 mil dormidas (13,7%), o Faial com 47,6 mil dormidas (5,4%) e o Pico com 30,6 mil dormidas (3,5%). 

Na Região Autónoma dos Açores, no mês de Maio, os estabelecimentos hoteleiros registaram 187,0 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo de 5,3%. 

As dormidas dos residentes em Portugal aumentaram 14,0% e as dormidas dos residentes no estrangeiro registaram um decréscimo de 1,2%.

Os proveitos totais atingiram 10,4 milhões de euros e os proveitos de aposento 7,9 milhões de euros, correspondendo a variações homólogas positivas, respectivamente, de 13,5% e de 15,7%. 

De Janeiro a Maio de 2019, nos estabelecimentos hoteleiros da Região Autónoma dos Açores (hotéis, hotéis-apartamentos, apartamentos turísticos e pousadas) registaram-se 625,3 mil dormidas, valor superior em 5,4% ao registado em igual período de 2018.

De Janeiro a Maio, os residentes em Portugal atingiram cerca de 347,3 mil dormidas, correspondendo a um acréscimo homólogo de 13,6%; os residentes no estrangeiro atingiram 278,1 mil dormidas, registando uma diminuição em termos homólogos de 3,3%.

Neste período registaram-se 216,3 mil hóspedes, apresentando uma taxa de variação positiva de 5,1% relativamente ao mesmo período de 2018.

No país, em Maio na hotelaria, as dormidas registaram um acréscimo em termos homólogos de 2,2% e de Janeiro a Maio de 2019 apresentaram uma variação homóloga positiva de 3,0%.

De Janeiro a Maio, os residentes em Portugal atingiram cerca de 347,3 mil dormidas (55,5% do total) e os residentes no estrangeiro 278,1 mil (44,5% do total).

De Janeiro a Maio, o mercado norte-americano (EUA e Canadá) com cerca de 75,4 milhares de dormidas representou 12,1% das dormidas totais e 27,1% das dormidas dos não residentes, apresentando uma variação homóloga acumulada de 17,6%. 

O mercado alemão com cerca de 66,6 milhares concentrou 10,6% do total das dormidas, representou por outro lado, 23,9% das dormidas dos não residentes em Portugal e registou uma variação homóloga acumulada negativa de 8,9%. 

Em termos de variações homólogas acumuladas, de Janeiro a Maio, as ilhas que apresentaram variações homólogas positivas foram as ilhas da Graciosa, de São Miguel e do Pico, com variações respectivamente de, 28,7%, 11,0% e 0,9%.

As ilhas do Corvo, de Santa Maria, de São Jorge, da Terceira, do Faial e das Flores, apresentaram variações negativas respectivamente de, 44,5%, 14,1%, 10,3%, 9,7%, 6,0% e 4,7%.

A ilha de S. Miguel com 456,8 mil dormidas concentrou 73,1% do total das dormidas, seguindo-se a Terceira com 95,8 mil dormidas (15,3%) e o Faial com 30,2 mil dormidas (4,8%).

 Em Maio, a taxa de ocupação-cama atingiu 56,7%, valor superior em 0,6 p.p. em relação ao mês homólogo do ano anterior. 

A taxa de ocupação-cama no país atingiu 55,2%.

A taxa de ocupação-quarto no mês de maio atingiu 68,7%.

A estada média foi de 2,93 noites, tendo registado um aumento de 0,3% em relação a Maio de 2018. No país a estada média foi de 2,60 noites. 

Os proveitos totais nos estabelecimentos hoteleiros, de janeiro a maio de 2019, atingiram 30,2 milhões de euros, tendo os proveitos de aposento atingido, no mesmo período, 21,7 milhões de euros. 

Estes valores correspondem a variações homólogas positivas de 11,1% e de 11,5%, respectivamente; para o total do país em igual período, os proveitos totais e os de aposento apresentaram variações homólogas positivas de 5,6% e de 5,0%, respectivamente.

Em Maio, os proveitos totais e os proveitos de aposento apresentaram variações homólogas positivas, respectivamente de, 13,5% e 15,7%. Para o total do país, as variações foram respectivamente, de 4,6% e de 4,1%.

As ilhas de São Miguel, Terceira e Faial foram as que maior peso tiveram nos proveitos totais, respectivamente com 76,6%, 12,0% e 5,2%. 

Em Maio, o rendimento médio por quarto disponível (Revenue Per Available Room) foi de 50,9 euros, apresentando uma variação homóloga positiva de 11,6%. 

De Janeiro a Maio, o RevPAR foi de 33,5 euros, apresentando uma variação homóloga positiva de 21,8%.

No país, o RevPAR de maio e em termos acumulados foram respectivamente de 58,6 euros e de 41,5 euros.

Em Maio, o rendimento médio por quarto utilizado (Average Daily Rate) foi de 74,0 euros.

Mais Lidas nos últimos 3 dias