Várias personalidades lamentam a morte de Gustavo Moura

Marcelo - jornalistasUm dia após o falecimento do histórico director do jornal Açoriano Oriental, Gustavo Moura, multiplicaram-se as mensagens de pesar de várias personalidades públicas da região e do país, desde o Presidente da República, a António Costa, Vasco Cordeiro e Ana Luís, a par do Partido Socialista dos Açores e do presidente da autarquia de Ponta Delgada.

“Uma referência para o Jornalismo da Região Autónoma” dos Açores. Foi assim que Marcelo Rebelo de Sousa se referiu ao jornalista, numa mensagem publicada esta terça-feira no portal da presidência. 

O chefe de Estado lamenta a morte do açoriano, destacando que “Gustavo Moura construiu, desde os tempos de comentador desportivo no ‘Açores’, às mais de duas décadas como director do ‘Açoriano Oriental’, uma longa carreira em prol da Informação nas ilhas e foi, enquanto correspondente do Diário de Lisboa, mas também da BBC e da France Press, uma voz atenta e autodidata sobre os Açores para o resto do mundo”.

“Condecorado em 2001 com a Ordem do Mérito, conquistou o respeito e a amizade dos seus conterrâneos”, recorda o Presidente, que endereçou “à sua família, que viu crescer até aos bisnetos”, as “mais sentidas condolências”.

Também o primeiro-ministro,  António Costa, manifestou pesar pela morte do “decano dos jornalistas açorianos”. “Associo-me na homenagem a Gustavo Moura, decano dos jornalistas açorianos, que ontem [segunda-feira] faleceu. O seu profissionalismo e dedicação por um jornalismo sério e de qualidade e a sua defesa pela autonomia dos Açores, são marcas que nos deixa nas nossas memórias”, afirma António Costa.

O presidente do Governo Regional dos Açores, por seu turno, considerou Gustavo Moura “um dos nomes maiores do jornalismo da Região e um incansável e tenaz defensor do Povo Açoriano”.

“Além de ter marcado e inspirado várias gerações de jornalistas, o senhor Gustavo Moura, ao longo da sua carreira, assumiu de forma desassombrada e combativa a defesa dos interesses dos Açores, interpretando, no seu tempo e no seu modo, o princípio da ‘livre Administração dos Açores pelos Açorianos’”, salientou Vasco Cordeiro.

Na mensagem de condolências enviada à família, o Presidente do Executivo açoriano sublinhou ainda que “este percurso, para além de suscitar o reconhecimento da Assembleia Legislativa, em 2010, com a atribuição da Insígnia Autonómica de Reconhecimento, é também enaltecido por todos aqueles que com ele tiveram o privilégio de privar”.

 “Endereço as mais sentidas condolências a toda a sua família, certo que o legado deixado pelo senhor Gustavo Moura, desde logo, como jornalista, é factor de enriquecimento da nossa vida colectiva como Povo e como Região”, expressou Vasco Cordeiro.

Já Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores manifestou também esta terça-feira, “de forma sentida, o seu profundo pesar” pelo falecimento de Gustavo Moura, que considerou ser uma “figura incontornável para a cultura dos Açores e uma grande referência para o jornalismo regional e nacional”.

“Gustavo Moura, Homem honesto e firme nas suas convicções em defesa dos interesses dos açorianos e da Autonomia, destacou-se na vida cívica, cultural e política da sociedade açoriana e será, sempre, uma fonte de inspiração para as gerações vindouras”, frisa Ana Luís que, “em seu nome e em nome da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores” endereçou condolências à família enlutada.

Também o PS/Açores expressou pesar pelo desaparecimento do jornalista que o partido considerou ser “uma figura ímpar do jornalismo açoriano e da própria história dos Açores”. “Com 85 anos de vida, Gustavo Moura deu incontáveis contributos para diferentes gerações que consigo privaram, trabalharam, que o puderam ler e ouvir”, lê-se numa nota do PS enviada Às redacções.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada lamentou igualmente a morte de Gustavo Moura. Em nota ontem divulgada, o município aponta o jornalista como um “nome incontornável do jornalismo açoriano e de reconhecido mérito a nível regional e nacional”.

“Paladino da Autonomia dos Açores, Director do antigo Jornal dos Açores e colaborador em vários órgãos de comunicação social regionais, nacionais e da Diáspora, o nome de Gustavo Moura ficará para sempre ligado à História dos Açores”, conclui a autarquia presidida por José Manuel Bolieiro.