Défice dos Açores agrava-se em mais 13 milhões de euros

pessoas em Ponta Delgada1O procedimento dos défices excessivos, da primeira (Abril) para a segunda (Setembro) notificação de 2019, agrava as necessidades de financiamento da economia dos Açores, em 2018, em cerca de 13 milhões de euros, de 126 para 139 milhões de euros, revela uma publicação do INE divulgada anteontem.

O acumulado da dívida do perímetro é agravado de 1.859  para 1.860 milhões de euros. 

O cenário de deficiência de liquidez foi agravado.

O INE reviu também em baixa o défice de 2018 para 0,5% do produto interno bruto (PIB) a nível nacional. 

A estimativa anterior apontava para que o défice daquele ano se tivesse fixado em 0,5%. 

”De acordo com os dados provisórios, o sector institucional das AP registou uma necessidade líquida de financiamento de 910,9 milhões de euros em 2018, o que corresponde a 0,4% do PIB (912,8 milhões de euros e 0,5% do PIB na versão provisória anterior, publicada em Março passado)”, pode ler-se no relatório do INE.

Esta revisão acontece no âmbito da segunda notificação do Procedimento por Défice Excessivo (PDE). No ano passado, sublinhe-se, o Ministro das Finanças, Mário Centeno, tinha previsto um défice de 0,7% - o que significa que o valor do défice ficou ainda mais abaixo da meta do que o previsto anteriormente.