Governo dos Açores declara estado de alerta até 31 de Março

aaavasco cordeiro

O presidente do Governo Regional dos Açores declarou ontem o estado de alerta no arquipélago até 31 de Março por causa do surto do Covid-19, já considerado uma pandemia pela Organização Mundial de Saúde. 

Adiamento de eventos públicos, a suspensão de atracagens de navios cruzeiros e iates e a recomendação para não viajar de e para o exterior estão entre as deliberações anunciadas ontem por Vasco Cordeiro, em conferência de imprensa, após uma reunião extraordinária do Conselho de Governo dedicada em exclusivo ao surto do novo coronavírus.

O executivo açoriano deliberou “declarar o estado de alerta em todo o território do arquipélago até ao dia 31 de Março, não sendo de excluir a prorrogação deste prazo ou a passagem às fases seguintes revistas no documento, nomeadamente o estado de contingência”, anunciou Vasco Cordeiro.

A declaração do estado de alerta integra “todas as medidas preventivas e recomendações já decretadas a este propósito pela Autoridade de Saúde Pública e todas aquelas que, sobre este assunto, venham a ser emitidas pela mesma entidade”, mas o governo foi mais além nas medidas adoptadas.

 

Adiamento de eventos e deslocações 

 

O conselho de governo deliberou “adiar todos os eventos promovidos pelo governo regional durante este período para data posterior a 31 de Março” e recomendar que os eventos agendados para este período por entidades públicas ou privadas sejam igualmente adiados para depois de 31 de Março. 

Vasco Cordeiro salientou, contudo, que os eventos de entidades privadas que usufruam de  apoios da Região “continuarão a usufruir desses apoios”. 

Na conferência de imprensa, que decorreu ontem em Ponta Delgada, Vasco Cordeiro adiantou que foi decidido “suspender todas as deslocações em serviço de funcionários ou agentes da administração regional ou empresas públicas para fora da região, salvo as absolutamente imprescindíveis”. 

Estão também suspensas “todas as deslocações à região de entidades externas, solicitadas pela administração regional”, adiantou o governante, recomendando o mesmo procedimento a todas as outras entidades públicas e privadas da região. 

 

Governo apela a que açorianos 

não viajem 

 

O Governo recomendou ainda o adiamento até 31 de Março das deslocações, “a qualquer título e de qualquer pessoa da região para o exterior e do exterior para a região, salvo as absolutamente imprescindíveis”. 

No caso de indivíduos provenientes de zonas consideradas como de transmissão comunitária activa, que não respeitem a recomendação, o Governo deliberou “impor como elemento necessário obrigatório ao desembarque no território” regional a “autorização expressa da Autoridade de Saúde da Região”. 

Para tal, estas pessoas devem contactar previamente a Linha de Saúde Açores. Se não cumprirem a imposição, alertou Vasco Cordeiro, sujeitam-se a ser alvo de queixa junto das autoridades por crime de desobediência. 

 

Atracagens de navios

de cruzeiro suspensas

 

O presidente do Governo açoriano anunciou ainda a suspensão de “todas as autorizações para a atracagem de navios cruzeiros e iates nos portos e nas marinas da região  até 31 de Março, salvo os casos devidamento autorizados pela Autoridade de Saúde, desde que seja garantido que não desembarcam passageiros”.

O executivo revelou também ter delegado aos órgãos competentes dos hospitais, unidades de saúde de ilha, centros de saúde e Serviço de Protecção civil e Bombeiros dos Açores, “os poderes para autorizar a aquisição de bens e serviços necessários para fazer face ao surto do covid-19”.

 

Reforço de 15 milhões  

 

Entre as medidas tomadas, está ainda o reforço em 15 milhões de euros do Orçamento para lidar com o surto na região. O Serviço de Protecção Civil irá ser reforçado em 1  milhão de euros, o hospital de Ponta Delgada em 500 mil euros, o hospital da ilha Terceira receberá 300 mil euros de reforço e o da Horta 200 mil. Já a Unidade de Saúde de Ilha de São Miguel receberá um reforço de 150 mil euros, a da Terceira 100 mil e a do Faial 75 mil euros. As restantes unidades de saúde de ilha receberão um reforço de 50 mil euros. O Governo solicita ainda aos profissionais de saúde “o reforço da sua disponibilidade, ponderando o adiamento de férias”.

 

“A protecção de todos começa

com a protecção de cada um”

 

Na conferência de imprensa, Vasco Cordeiro deixou também um alerta à população para seguirem as recomendações e medidas decretadas pela autoridade de saúde. “Hoje, mais do que nunca é importante que todos tenham presente que a protecção de todos começa com a protecção de cada um”, afirmou o chefe do executivo açoriano.

 

Escolas “para já” não

serão encerradas na região

 

Vasco Cordeiro afirmou, contudo, que “para já” não há necessidade de avançar para o encerramento das escolas do arquipélago. Nos Açores, não há ainda registo de casos positivos no que refere a esta epidemia.

A epidemia de Covid-19 foi detectada em Dezembro, na China, e já provocou mais de 4.000 mortos e cerca de 120 mil pessoas infectadas em cerca de uma centena de países. Mais de 63 mil pessoas recuperaram. 

Portugal registava ontem 59 casos confirmados de infecção.