12 casos positivos, 13 casos suspeitos e 1926 vigilâncias activas em toda Região

1 AAA Tiago lopes

A Autoridade de Saúde Regional deu conta ontem que foi diagnosticado um novo caso positivo de COVID-19 em São Miguel, de acordo com as análises realizadas no Serviço Especializado de Epidemiologia e Biologia Molecular, do Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira.

Trata-se de um indivíduo do sexo feminino, de 23 anos de idade, com história de passagem recente pelos Países Baixos.

O caso está a ser acompanhado pela Delegação de Saúde concelhia, estando em curso os procedimentos definidos para caso confirmado e de vigilância de contactos próximos.

Até ontem, foram detectados na Região 12 casos positivos para infecção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença COVID-19, sendo dois na ilha Terceira, um no Faial, sete em São Jorge e dois em São Miguel, sendo que todos os pacientes apresentam quadros clínicos estáveis. Conforme deu conta o Director Regional de Saúde, todos estes casos são importados, não havendo, até ao momento, qualquer caso por transmissão local.

Às 16h00 de ontem estavam registados na Região mais 13 casos suspeitos que aguardam os resultados das análises ou recolha de amostra biológica, estando em vigilância activa, em todas as ilhas dos Açores, 1926 pessoas que estão a ser seguidas diariamente pelas delegações de saúde concelhias.

 

Hotel Vip sem casos positivos

 

Depois do confinamento obrigatório a que o hotel VIP Executive Azores foi sujeito, após se ter verificado a existência de um caso de um hóspede que esteve no hotel entre 12 e 17 de Março, e que ao chegar ao continente foi testado positivo, Tiago Lopes esclareceu, os resultados laboratoriais feitos às amostras biológicas recolhidas às pessoas que estavam no hotel deram todas negativas, não existindo, actualmente, qualquer hóspede ou colaborador que esteja contaminado com o Covid-19 naquela unidade hoteleira.

 

Pico da Pandemia nos Açores imprevisível

 

De acordo com os dados divulgados pela Direcção Geral de Saúde, prevê-se que o pico da pandemia em Portugal continental aconteça à volta de 14 de Abril, todavia Tiago Lopes considera ser “contraproducente estar-se a avançar com data em concreto”, adiantando que “é um risco avançar com datas em concreto”. Reportando-se ao comportamento do vírus na Região, o Director Regional da Saúde avança que “se trata de um novo coronavírus e não sabemos verdadeiramente qual é o seu comportamento”, esclarecendo que “todos os cenários de impacto que temos neste momento, e nos quais nos suportamos para planear os diferentes planos de contingência, são baseados em informação que é muito recente”, não sendo por isso “verdadeiramente fidedigna”. Tiago Lopes considera, por isso, ser “precoce” avançar datas quanto a possíveis picos ou aplanamento das curvas.

 

Açores mais à frente do que a DGS

 

Tiago Lopes esclarece ainda que não estão a ser feitos na Região apenas testes a pessoas com casos suspeitos, dando como exemplo a situação do grupo das oito de pessoas de São Jorge, que viajaram juntas, em que foram recolhidas amostras a todo o grupo apesar de não terem sintomas de infecção pelo Covid 19. “Na Região Autónoma dos Açores estamos a trabalhar até de forma ainda mais aprofundada do que a Direcção Regional de Saúde (DGS)”, assegura este responsável, adiantando que “os casos suspeitos são feitos com critérios clínicos (tosse, febre e dificuldade respiratória) e epidemiológicos, que nos Açores são mais aprofundados que a DGS. Neste momento, colocamos muitos mais países na nossa lista de área de transmissão local do que a nacional”.

Acrescenta Tiago Lopes que pelo facto de, nos Açores, o critério epidemiológico ser mais “refinado” permite que se possa afectuar um maior número de testes na Região, estando a Região “com capacidade instalada para realizar milhares de testes”, assegura, garantindo que o Serviço Regional de Saúde está “perfeitamente dentro do alcance da capacidade de resposta da Região”.

 

Região sem problema de falta de ventiladores

 

No que diz respeito a material hospital, Tiago Lopes deu conta que é uma situação que a Autoridade de Saúde Regional tem vindo a seguir, de modo a não deixar que os stocks atinjam os mínimos. “Nesta altura todos os países do mundo estão a fazer aquisições adicionais de material e não queremos deixar ficar os stocks a descoberto”, avança, explicando contudo que “haverá sempre falta de material nas unidades de saúde da Região”, não se conseguindo “ter os stocks ideais, conforme desejaríamos, porque há muito material que estamos a aguardar à semelhança do que acontece com outros países”.

Ainda assim, Tiago Lopes garante que o material existente nas unidades de saúde da Região é suficiente para dar a resposta necessária, admitindo que, ao nível dos ventiladores existentes, os Açores “até correm o risco de ficar, neste momento, com ventiladores a mais”. O Director Regional garante que “todos os ventiladores que vierem a mais será bom”, confirmando que “quer em termos de ventiladores, dispositivos médicos e de equipamento de protecção individual temos capacidade para dar resposta”, relembrando que caso falte algum equipamento em uma unidade de saúde em particular, será o mesmo poderá ser encontrado em outra unidade de saúde do arquipélago ao abrigo da solidariedade regional.

 

Alojamento para pessoas em quarentena providenciado

 

Tiago Lopes deu nota ainda que a Região já tem andamento, num trabalho conjunto da Secretaria Regional da Saúde e a Secretaria Regional do Turismo, um plano que consiste em providenciar espaços “para que se consiga proporcionar melhores condições para o período de quarentena a quem for determinado à chegada à Região ” e também para possíveis casos de infecção de profissionais de saúde.