Bispo de Angra apela a que cada cristão seja o rosto do Senhor junto dos que mais precisam

97197133 262720235094732 3624350453862498304 n

Hoje seria o grande dia das festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, onde milhares de devotos estariam em Ponta Delgada ou para incorporar ou para assistir à procissão. Este ano de 2020 ficará para sempre marcado como o ano da não realização destas festas.

Contudo, apesar deste facto inédito em 320 anos, o Santuário da Esperança preparou alguns momentos para assinalar a festa como foi o caso, na passada Quinta-feira, da apresentação da 35ª capa que a imagem do Senhor Santo Cristo iria apresentar ao milhares de fiéis. A nova capa foi confeccionada em Vila Franca do Campo por uma artesã local e estará colocada sobre a imagem não só durante estes dias que seriam das grandes festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, e que sairia na procissão, mas, pelo menos, durante todo o Verão e aquando da realização da Missa de Acção de Graças que o Santuário quer celebrar numa fase pós pandemia. De acordo com Adriano Borges, esta nova capa, em veludo vermelho escuro e adornos em ouro, também irá sair, no futuro, na procissão. “Não no próximo ano de 2021 porque já temos um compromisso com outra capa que um grupo de emigrantes do Canadá que nos vai oferecer, mas provavelmente em 2022 sairá a capa oferecida este ano 2020”, refere.

Outra novidade prende-se com as cordas que estão na imagem e que este ano são novas. O reitor explica, a propósito, que depois da festa do ano passado, em que as cordas tinham sido restauradas, este ano foi tomada a opção de fazer umas cordas novas. “Uma vez que são cordas com sensivelmente 300 anos e também por causa do uso, algumas peças ainda continuavam a cair” e, por este motivo, adianta, “tivemos a ideia de realizar uma nova corda porque aquela faz parte do tesouro regional e foi então decidido que não devia sair mais em procissão”.

A nova corda, criada por Ana Paula Ferreira e a irmã, Ivone Custódio, seguiu a regra da outra, tendo 3 metros e 58 centímetros, contendo ainda duas peças que eram icónicas da outra e que são amovíveis que é o laço e o cordeiro, que são as duas peças mais visíveis da corda. O restante, foi feito com cordões de ouro, prata e algumas peças que foram oferecidas, ao longo dos tempos, ao Santuário e que agora irão estar na corda do Senhor Santo Cristo dos Milagres e que sairão também em procissão.

 

Bispo de Angra deixa mensagem de esperança aos fiéis

 

Também o bispo de Angra e ilhas dos Açores fez questão de deixar uma mensagem alusiva à festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres onde apela a que cada cristão seja o rosto do Senhor junto dos que mais precisam.

“A pandemia vem colocar-nos problemas gravíssimos. Por isso, nesta hora junto do Senhor gostaria de ter presente os que são vítimas: os doentes, os familiares, os que sofrem com os entes queridos e que não puderam despedir-se deles, os desempregados, os que padecem fome, e isso já acontece, e que exige de nós cristãos um sinal de esperança porque somos o rosto visível de Jesus Cristo, somos o rosto visível do Senhor Santo Cristo”, refere D. João Lavrador na mensagem dirigida a todos os devotos do Senhor Santo Cristo cujas festas seriam presididas este ano pelo Cardeal D. José Tolentino Mendonça.

“Que tenhamos ainda mais esta presença e que consigamos todos em comunidade trazer aos outros o amor, a verdade e a esperança do Senhor para que a ninguém falte o necessário” esclarece ainda sublinhando que “a partilha e o amor são a solução, sobretudo nestes tempos de grande fragilidade”.

Numa mensagem dirigida aos que vivem no “arquipélago dos Açores ou na diáspora”, o prelado diocesano pede que esta festa seja celebrada espiritualmente, “unindo-nos ao Santo Cristo dos Milagres tentando memorizar e contemplar a sua imagem tão significativa, naquele olhar que connosco caminha, nos olha e nos acompanha em todas as situações em que nos encontremos com serenidade e verticalidade”, referiu.

O bispo de Angra destaca, por isso, que este momento é “oportuno para fortalecer esta relação com o Senhor Santo Cristo”.

“É natural que cada um de nós chegue perto dele para lhe trazer o agradecimento pelas graças concedidas, pela Sua presença de amor e que por vezes nem damos conta” diz D. João Lavrador, mas muitos “também trazem as suas dores.

“Que tenhamos ainda mais esta presença e que consigamos todos em comunidade prosseguir na atenção de uma maneira próxima com os excluídos e os que sofrem mais”, afirma.

 

RTP Açores e RTP Internacional transmitem hoje Eucaristia a partir do Convento da Esperança pelas 09h30

 

As festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres são as mais importantes festas religiosas dos Açores, a par do Espírito Santo, mobilizando milhares de peregrinos a Ponta Delgada no quinto Domingo do ano a seguir à Páscoa. Por este motivo, o Santuário decidiu preparar alguns momentos para assinalar a festa.

Assim, este Domingo, dia 17 de Maio, na altura em que a imagem sairia para a procissão solene e para a missa campal no Campo de São Francisco, será celebrada uma missa que terá transmissão pela RTP Açores, Canal 1 da RTP e RTP Internacional a partir das 09h30. “Esta celebração é uma forma de levarmos o Senhor Santo Cristo junto de todos os devotos que este ano estão privados de participar nesta festa” disse o reitor do Santuário, cónego Adriano Borges.

Além disso, a imagem poderá também ser seguida diariamente em senhorsantocristo.com

Segundo os dados históricos disponíveis, a primeira procissão em honra do Santo Cristo dos Milagres teve lugar em Ponta Delgada, em 11 de Abril de 1700, ano em que a ilha de São Miguel foi abalada por fortes sismos.

Nessa altura, as forças vivas da sociedade mobilizaram-se e dirigiram-se ao Mosteiro da Esperança para levarem, em procissão, a imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres.

A imagem do Santo Cristo só sai da Igreja para acompanhar a procissão nas festas, mas saiu excepcionalmente, em Maio de 1991, para o Campo de São Francisco durante a visita do papa São João Paulo II aos Açores.

Recorde-se que a festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres foi cancelada em Abril devido à pandemia da Covid-19.