José Câmara quer doar nove imagens de Nossa Senhora de Fátima para os Açores

imagem peregrina de fátimaJosé Câmara é madeirense, vive em Cascais e foi emigrante, no ramo do imobiliário, em África de Sul, durante 50 anos, tendo-se tornado num empresário de sucesso.

A sua devoção a Nossa Senhora incentiva-o a oferecer imagens de Fátima a igrejas, conventos, estabelecimentos prisionais, escolas ou lares de idosos, como forma de agradecimento a Deus pelo “facto de me ter deixado confortável na vida”. Ao Diário dos Açores, José Câmara explica que não sabia qual a melhor forma de agradecer a Deus, foi então que se lembrou em “espalhar a devoção à Mãe de Jesus”. “Naquela altura fui a Fátima, contactei com algumas empresas que fabricavam imagens e acabei por escolher a fábrica que me apresentava a imagem mais bonita e por um preço razoável”. De imediato, José Câmara adquiriu 12 imagens, de 95 centímetros de altura, sendo que “com a coroa a imagem passa de um metro de altura”, adverte.

O octogenário explica que o número 12 não foi escolhido ao acaso, foi precisamente porque 12 eram os apóstolos de Jesus.

É então numa ida a África do Sul que José Câmara começa o processo das doações. Depois de ter falado com o editor de um jornal católico no Cabo, onde deu conta da sua intenção, a notícia foi publicada. Como conta, “logo na primeira semana, depois da notícia ter sido publicada, recebi 63 pedidos de pessoas interessadas e ainda chegaram mais 40 pedidos de padres a solicitarem imagens. Foram mais de 100 pedidos em duas semanas”, assegura. 

Aliás, avança, até “um bispo da Irlanda, que estava reformado, também me escreveu a pedir uma imagem de Nossa Senhora de Fátima, mas respondi que como ele já estava reformado e não tinha paróquia não lhe poderia oferecer a imagem porque a minha intenção é que haja devoção às imagens que ofereço”, frisa. 

Já lá vão quase oito anos desde que José Câmara começou este projecto, tendo iniciado precisamente por África do Sul. Contudo os pedidos já surgiram de várias partes do globo. De Janeiro de 2013 até 2020, José Câmara já entregou 1215 imagens, de vários tamanhos, para mais de 45 países do mundo, dos cinco continentes. Algumas entregas foram feitas pessoalmente como foi o caso, por exemplo, do Japão, Tóquio, Hong Kong ou Macau. Mas as imagens de Fátima já chegaram também ao pequeno território do Haiti, a alguns países muçulmanos como a Arábia Saudita, países de expressão portuguesa, Estados Unidos da América, Canadá, Brasil, e também Filipinas, Austrália, Beirute, Jerusalém entre muitos outros. “Já são quase 50 países”, frisa José Câmara, adiantando que a última imagem que entregou foi à Nigéria.

Trata-se de um projecto que, como diz José Câmara, “começou quase que para me manter ocupado na minha aposentação, porque não tenho mais nada que fazer, mas é algo que não quero parar, por isso agora pretendo oferecer imagens para os Açores e Porto Santo, no arquipélago da Madeira”, ressalvando que “Deus está comigo” por isso não pretende parar com as doações, apesar de reconhecer que se trata de um “passatempo caro”.

Todas as imagens são encomendas a uma fábrica em Ourém, concelho de Fátima, pelo que José Câmara explica que se alguma paróquia ou outra instituição dos Açores estiverem interessadas, basta apenas que façam o contacto para o email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou para o 962385601. Os interessados só terão que pagar o transporte da imagem até ao local da entrega e o pedido deve ser subscrito por um padre. Esta é uma das regras impostas por José Câmara, até porque refere, “já me tentaram enganar, há sempre oportunistas”, comentando, a propósito, que “houve alguém que me escreveu a pedir 8 imagens e dizia que era um padre com 8 paróquias, mas percebi logo que aquela pessoa não era bem intencionada. Percebi que o que ele queria era fazer negócio com as imagens. Como pedi os dados pessoais daquela pessoa e exigi uma carta do bispo da localidade a atestar que a pessoa em causa era padre e tinha aquelas paróquias, como é óbvio nunca mais me contactou. Tratava-se de um contrabandista”, lamenta.

Para os Açores, José Câmara tem em mente doar 9 imagens, uma para cada ilha, “estou disposto a ajudar a espalhar a devoção a Nossa Senhora, porque é o meu principal objectivo”, garante, confessando, contudo, “que nunca tem um número fixo em mente, depende das solicitações e dos tamanhos das paróquias”, conclui.

 

More articles from this author