Representante da República para os Açores apela ao voto no próximo dia 25 de Outubro

pedro catarino

O Representante da República para a Região Autónoma dos Açores, embaixador Pedro Catarino, fez um apelo a todos os eleitores dos Açores para que cumpram com o dever cívico de votar. Na mensagem que endereça a todos os cidadãos, Pedro Catarino reconhece que as “eleições, que se avizinham, representam, contudo, um desafio muito especial”, principalmente “depois da pandemia de Covid-19 nos ter forçado a todos a um longo confinamento, e de presentemente vivermos ainda com algumas restrições à nossa liberdade e rodeados de medidas de protecção da saúde pública, é compreensível que muitos eleitores se sintam tentados a ficar em casa no dia 25 de Outubro”.

Questionando se “justificar-se-á sair à rua para ir votar?”, o Representante da República adverte que “sem dúvida alguma que sim. Em democracia, exercer o direito de voto é justamente “o essencial”. É aliás o momento mais “essencial” de uma cidadania activa e responsável”, frisa.

Apesar de admitir que “não há sanções por não votar”, Pedro Catarino advoga que a “Constituição frisa claramente que se trata de um dever cívico”, recordando que “no passado, muitos tiveram de se bater arduamente para conquistar o direito de voto que hoje possuímos. Outros lutaram ainda para que esse direito fosse progressivamente alargado a todos os membros do povo. E, mais recentemente, só a persistência das sufragistas garantiu às mulheres iguais direitos políticos. Em Portugal, apenas em 1975 se realizaram as primeiras eleições por sufrágio directo e universal”, disse.

Por isso, avançou, “para todos aqueles que acreditam na democracia – como governo do povo, pelo povo e para o povo – votar é uma obrigação indeclinável. Para todos aqueles que se preocupam com o seu futuro, e com o futuro dos seus filhos e netos, votar é um imperativo categórico. Para todos aqueles que acreditam que a nossa sociedade enfrenta grandes desafios – na saúde certamente, mas também na educação, no ambiente, no mercado de trabalho, na agricultura ou no turismo – votar é um dever de consciência”.

Pedro Catarino salienta que “a abstenção, sobretudo quando elevada, enfraquece a democracia, fragiliza a autonomia e debilita a legitimidade dos governantes eleitos”.

Na mensagem que endereça a todos os açorianos, o Representante da República frisa que “as instituições autonómicas – a Assembleia Legislativa e o Governo Regional, cuja composição sairá precisamente das próximas eleições – precisam do voto de todos os açorianos, para terem mais autoridade na resolução dos problemas dos Açores, bem como para terem mais força para defender os interesses dos açorianos no plano nacional e europeu”.

Pedro Catarino considera que apesar do actual contexto de pandemia, é possível “cumprir o nosso dever cívico de votar com toda a confiança e paz de espírito” e respeitando as medidas de segurança “a que já estamos todos habituados”.

O Representante da República termina apelando para que no próximo dia 25 de Outubro, “não deixe que os outros decidam por si e vá votar”.