Luís Alberto Bettencourt lança “Chá de Alecrim”

novo singleO compositor e cantor micaelense Luís Alberto Bettencourt lançou ontem a sua última novidade: um single com o título “Chá de Alecrim”.

Nesta composição, o autor constrói um imaginário sentimento afectivo servido em forma de chá e aquecido por uma escala de notas e harmonias executadas pelo pianista Cristóvão Ferreira.

“O imaginário da letra é baseado numa ficção repartida num desejo de partilhar com alguém os labirintos da paz que a minha alma pede. A solidão também pode ser partilhada”, explica Luís A. Bettencourt ao “Diário dos Açores” numa breve troca de mensagens sobre este novo lançamento.

 

Uma pausa para falar de amor 

em tempo de pandemia

 

Segundo o cantor, “a inquietação dos nossos dias, levou-me à procura e à  inspiração do que mais necessitava ou seja, uma pausa para falar de amor em jeito de reflexão e de combate às notícias que nos chegam. Para isso, nada melhor que tomar um chá espiritual que pudesse aquecer o meu atribulado íntimo, e como um chá sempre foi um remédio santo para o meu ego, não esperei, fiz questão de o saborear nos acordes de uma simples melodia. Fiquei grato à inspiração do momento”.

 

Vem aí novo CD, talvez na Primavera

 

Depois de escutarmos a nova obra ressalta a sensação, de facto, de que há uma inspiração melancólica muito nossa, insular e açoriana. 

O autor explica que, “para reflectir o sentimento que pretendia, pensei que a melhor opção era uma estrutura melódica afastada de compassos batidos e ritmados, não me apetecia tomar chá ao som de um rock ou samba, para isso tenho outros temas, o que era importante era assentar a temática numa melodia suave que retratasse o momento da criação, e esse momento pediu-me sossego e calmaria, não fosse eu um ilhéu assumido”.

“Quando acabei a composição afastei logo a hipótese de a produzir com muitos instrumentos, pensei que era uma música que melhor podia resultar apenas sustentada por um piano, e como sou grande apreciador do talento do Cristóvão, não duvidei e convidei-o sem pensar duas vezes, o arranjo é também dele e o resultado deixou-me fascinado”, acrescenta.

Sobre o futuro, Luís A. Bettemcourt revela: “Este tema é mais um do CD que vai sair brevemente, tenho o trabalho praticamente pronto, só espero por melhores dias sem ameaças deste demónio em forma de covid; o mais certo é esperar pelo início da primavera, porque nessa altura há mais sol mais claridade no nosso interior, e, talvez por isso o aroma da esperança é mais sentido”.