Há consenso sobre a realização da obra no Campo de São Francisco, diz autarca de Ponta Delgada

campo s. franciscoO presidente da Câmara de Ponta Delgada saudou ontem o consenso que existe, por parte de todas as forças políticas, relativamente à necessidade de se avançar com a obra de requalificação no Campo de São Francisco numa perspectiva minimalista para manter a nossa memória histórica.
Segundo uma nota de imprensa da autarquia, José Manuel Bolieiro, que falava durante os trabalhos da Assembleia Municipal extraordinária, convocada para debater a obra em questão, referiu que, afinal, existe um denominador comum em todo este processo e por parte de todos os partidos: “há unanimidade na necessidade de se avançar com a intervenção e preservação na nossa memória histórica e cultural inscrita no Campo de São Francisco”.
A reunião extraordinária foi convocada por iniciativa de todos os partidos da oposição municipal para discutir o projecto que a câmara já adjudicou, com vista à realização das obras no Campo de São Francisco.
José Manuel Bolieiro aproveitou a oportunidade para reafirmar que o projecto está em apreciação pública até 3 de abril, no portal da Câmara e que a autarquia se encontra aberta a aportações e/ou críticas positivas que o possam aperfeiçoar.
Na assembleia, esteve presente o autor do projecto arquitectónico da praça, António Pardal, para explicar aos deputados municipais e ao público presente todos os passos do processo e cujas obras vão arrancar após a realização das Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres.
De acordo com o mesmo comunicado, o projecto, que foi aprovado por unanimidade em reunião de câmara, tem parecer favorável da Direcção Regional da Cultura e engloba também uma intervenção ao nível do saneamento básico e da iluminação pública, segundo o autarca, terá ainda em conta a melhoria das instalações sanitárias existentes no local.
O presidente da câmara apresentou, por outro lado, aos deputados municipais duas missivas que recebeu da parte da Irmandade do Senhor Santo Cristo dos Milagres e da Paróquia de São José, nas quais ambas se mostram favoráveis à realização da obra, lançando, contudo, alguns contributos que estão a ser estudados.
José Manuel Bolieiro deixou ainda claro que, além da urgência na requalificação do Campo de São Francisco, há também um factor importante a ter em conta, nomeadamente o facto de esta obra “dar emprego a uma empresa açoriana. Assim se assegura trabalho nas nossas empresas de construção civil”.
Por outro lado, o grupo municipal do PS, apesar de reconhecer a importância do espaço para a cidade, reiterou o que considera ser uma “atitude enganadora” por parte da  autarquia em promover uma “consulta pública” encenada aos cidadãos. “A questão que ficou por esclarecer é a de sabermos porquê só agora esta discussão pública e condicionada aos cidadãos quando o projecto foi aceite pela autarquia em 2011”, lê em comunicado dos socialistas.
Em Junho e Setembro de 2012 o PS sugeriu que o projecto fosse apresentado publicamente o que, de acordo com a nota de imprensa, demorou 5 meses para acontecer.
O PS afirmou ser a favor da requalificação que vise a melhoria e dignificação do espaço, mas salientou ter algumas reservas relativas a ao projecto apresentado, “porque este promove a importação de soluções (mobiliário, postes de iluminação e macaco hidráulico no coreto) em vez de promover a restauração dos mesmos, promovendo a economia local”.
Os socialistas sublinham estar convictos de que a obra proposta adultera a composição do desenho urbano e a forma clássica da praça.