João Ponte destaca contributo dado à Lagoa por Carlos César e Mota Amaral em homenagem

lagoaMota Amaral e Carlos César foram ontem homenageados, na Lagoa, com a atribuição da distinção honorífica de Cidadão honorário do concelho de Lagoa. A entrega das distinções foi realizada na sessão solene comemorativa do 1º aniversário da elevação da vila de Lagoa a cidade, no novo salão nobre do Convento dos Franciscanos.
Segundo avançou a autarquia em comunicado, na ocasião, o autarca da Lagoa, João Ponte, homenageou os dois anteriores presidentes da Região Autónoma dos Açores, salientando “ser duas individualidades singulares açorianas e que, passado um ano, da evocação do novo estatuto de cidade, considerou ser a hora e o momento certo para se homenagear duas personalidades que colaboraram no processo de transformação e de progresso da Lagoa.”
“Dois homens, que com os lagoenses, souberam identificar as carências, dotando o concelho de mais e melhores infraestruturas e equipamentos para servirem a causa comum que a todos nos une: o bem-estar das pessoas. Dois governantes com visão, que souberam aplicar as políticas necessárias para o progresso sustentável dos Açores. Políticos com grande determinação que, independentemente do seu quadrante partidário, sempre defenderam o interesse superior dos Açores e dos açorianos – e, nessa medida, também dos lagoenses” disse o autarca lagoense.
João Ponte considerou importante “saber reconhecer aqueles que, pelo seu desempenho se dedicam às causas cívicas e públicas, colocando, sempre, em primeiro lugar, as pessoas.”
De João Bosco Mota Amaral, primeiro Presidente do Governo da Região Autónoma dos Açores, de 1976 a 1995, destacou a sua “acção ímpar, durante o período histórico de implantação da Autonomia Constitucional; o seu prestigioso e honroso contributo em favor dos Açores; o seu sentido de Estado e o seu carinho especial pelos Açores”.
De Carlos César, Presidente do Governo da Região Autónoma dos Açores, de 1996 a 2012, salientou e recordou o seu sentido de Estado e reconheceu a sua sensibilidade humanista que fez dos interesses dos açorianos a sua principal bandeira, salientando que, ao longo de dezasseis anos, Carlos César foi um Presidente determinado e empenhado no apelo à mudança, assumindo uma atitude de confiança na descentralização e no poder da juventude. Foi um governante, que numa atitude positiva, aliada ao seu saber fazer e ao seu querer fazer, soube investir nas mais diversas áreas, contribuindo para o progresso dos Açores e dos açorianos.
Recordou as palavras elogiosas do Presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso que proferiu aquando da nomeação dos Açores como “Região Europeia do Ano 2010”, que “o caminho trilhado pelas autoridades regionais para promover um desenvolvimento sustentável representa um exemplo a seguir em inúmeras áreas.”
Segundo a mesma nota da câmara, o município e os lagoenses reconheceram publicamente “o notável trabalho, desenvolvido pelos Governos liderados por Mota Amaral e por Carlos César”, distinguindo-os como Cidadãos Honorários do Concelho de Lagoa.
De referir que, para além desta distinção honorífica, o município irá atribuir os seus nomes a dois emblemáticos equipamentos públicos. A 4 de Maio reabrirá a Casa da Cultura Carlos César, no edifício em frente aos Paços do Concelho, com uma exposição colectiva de artistas açorianos. A 18 de Maio, abrirá na anterior escola de Água de Pau o Centro Comunitário João Bosco Mota Amaral que integrará dois centros de actividades de tempos livres, sede dos escuteiros, salão para eventos, capela de Cristo Ressuscitado e servirá de sede a várias instituições sociais da freguesia.