“Açores já atingiram o grau de autoaprovisionamento em carne de bovino”, diz o Governo...

carneSegundo o GACS, “o Secretário Regional dos Recursos Naturais revelou ontem que os Açores já atingiram o grau de autoaprovisionamento em carne de bovino, expedindo uma parte significativa das carcaças abatidas e aprovadas para consumo”.
“Em 2012, esse valor correspondeu a 56% do total dos abates de bovinos nos Açores”, especificou Luís Neto Viveiros durante a inauguração das obras de ampliação do Matadouro da Ilha do Pico, nas Lajes.
A expedição de gado bovino abatido nos Açores registou nos últimos seis anos um crescimento de cerca de 269%, tendo atingido 7.157 toneladas em 2012, o que representa um aumento significativo relativamente às 1.940 toneladas registadas em 2006.
“O Secretário Regional referiu-se ainda à mais-valia da certificação, a propósito da parceria estabelecida para a exploração da sala de desmancha do Matadouro do Pico entre a Região, através do IAMA, e a Cooperativa Verde Atlântico, que gere a comercialização da Carne IGP”.
“Acreditamos que a existência de uma Indicação Geográfica Protegida (IGP), denominada IGP Carne dos Açores, poderá dar um contributo importante para uma maior valorização regional da produção de carne”, afirmou.
A comercialização da IGP Carne dos Açores registou um aumento de cerca de 964% do número de cabeças abatidas e certificadas entre 2007 e 2012, num valor total de cerca de 680 toneladas em 2012.
Na ilha do Pico, encontram-se actualmente certificadas 274 explorações, o que representa cerca de 40% das explorações com pedidos de uso aprovados na Região para a IGP Carne dos Açores.
No que se refere à carne abatida e certificada na ilha do Pico, ela representa cerca de 70% do total da carne certificada na Região.
Ao nível de investimentos, o aumento dos abates implicou obras de beneficiação ou ampliação na rede regional, como é o caso das obras executadas no Matadouro do Pico.
“Uma intervenção que visou, desde logo, ao nível do sector de desmancha, duplicar a área de armazenagem de carne desmanchada refrigerada”, num esforço financeiro de cerca de 485 mil euros, suportado integralmente pela Região, disse Luís Neto Viveiros.

O outro lado: Açorianos consomem o dobro da carne e exportação é baixa...

Essa é a visão cor-de-rosa oferecida pelo Governo, sugerindo que o “autoaprovionamento é uma conquista recente. A realidade, no entanto, é que o “autoaprovisionamento” já tinha sido alcançado há vários anos e os Açores têm sobretudo 2 problemas: come-se quase o dobro de carne de bovino que no resto do país e tendo em conta o excedente de produção, a exportação devia ser bastante maior.
Não são conhecidos dados estatísticos sobre a importação de carne de bovino pelos Açores, o que pode fazer com que esse consumo seja ainda maior. Nas Estatísticas da Agricultura de 2009, o INE refere que Portugal produz cerca de 103 mil toneladas de carne de bovino, exporta 4 toneladas e importa 98. No Anuário Estatístico de 2011, Portugal produz  cerca de 96 mil toneladas de carne de bovino, e indica que os Açores produzem 12,4 mil toneladas, das quais 4,5 mil toneladas são vendidas para o exterior. 
Juntando a quantidade produzida pelo país com o que é importado, atinge-se uma média de consumo de praticamente 19 quilos por habitante. Nos Açores, retirando os 56% que são exportados, o resultado é que os Açores consomem 32,6 quilos por habitante.
Por outras palavras, para que o consumo de carne de bovino nos Açores se ficasse pela média nacional, os Açores teriam de exportar o dobro do que exportam hoje em dia – de cerca de 4,5 mil toneladas para cerca de 9 mil toneladas.
Curiosamente, no entanto, o consumo de carnes nos Açores é menor que no país. Incluindo as carnes de bovino, suino, ovino, caprino e aves, a média nacional é de 85 quilos por habitante, enquanto que nos Açores esse valor baixa para os 71 quilos. Mais uma vez, não existem dados sobre a importação desses produtos, mas tendo em conta apenas a produção, a explicação para esse baixo consumo reside sobretudo no baixo consumo de aves. O facto é que neste momento os Açores produzem 1,45% das aves produzidas no país (carne limpa), o que sugere que não existe autoaprovisionamento a esse nível, uma vez que Portugal é autosuficiente neste segmento.