BEL Portugal investe 1M€ na fábrica da Ribeira Grande

  • Imprimir

leite 2A Bel Portugal vai investir, até ao final do ano, três milhões de euros nas fábricas portuguesas, sendo que um milhão vai ser investido na fábrica da Ribeira Grande, onde são produzidos os produtos da marca Terra Nostra.
Segundo informação avançada pelo jornal Oje, os outros dois milhões vão ser aplicados na unidade de Vale de Cambra, nomeadamente, na implementação de uma nova área de ralação de queijo e, também, na reformulação de linhas de produção já existentes, com o objectivo de aumentar a flexibilidade de produção e a produtividade.
A medida foi anunciada numa visita à fábrica de Vale de Cambra, que contou com a presença de Nuno Vieira e Brito, Secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar e de José António Bastos, Presidente da Câmara de Vale de Cambra.
“Portugal é um mercado estratégico e muito relevante, a nível internacional, para a Bel. Somos líderes de mercado, com as nossas marcas a ter uma penetração e uma aceitação ímpar juntos dos consumidores. Por outro lado, é com enorme orgulho que contribuímos para a economia nacional, dando emprego a cerca de 600 colaboradores nas nossas três fábricas, duas nos Açores e uma em Vale de Cambra”, defendeu Ana Cláudia Sá, directora geral da Bel em Portugal.
A unidade de Vale de Cambra é onde se produz a marca Limiano, queijo líder em Portugal com 50 anos de história, e onde se concentra também a unidade de fatiamento, que é utilizada por todas as marcas da empresa.
O aumento da capacidade de produção vai permitir alavancar a exportação para mercados como Angola e noutros países onde as marcas portuguesas têm relevância. Os chamados mercados da saudade, como a França ou Suíça, são igualmente uma prioridade para a Bel. A visão da Bel é que a exportação represente 10% das vendas nacionais no espaço de três anos.
Apesar da actual conjuntura económica, a Bel Portugal tem conseguido crescer de ano para ano. Em 2012, facturou cerca de 118 milhões de euros, mais dois milhões do que em igual período do ano anterior. O primeiro semestre de 2013 apresenta 4% de crescimento em volume, estando a conseguir cumprir o objectivo de crescimento anual.