Pesca gera menos 4M€ em 2013

  • Imprimir

pescaDesde 1 de Janeiro até 28 de Agosto, os movimentos das descargas nas lotas dos Açores registaram uma redução de 2,6% no peso do pescado, e uma redução de 13,5% no seu valor, comparando com o período homólogo de 2012. O sector da pesca terá perdido cerca de 3,9 milhões de euros.
Parte dessa perda foi registada nas capturas dos atuns, mas com um peso muito abaixo do seu peso real. É que os atuns representaram em 2013 cerca de 60% das capturas e 46,7% do valor total gerado em lota, o que representa quedas significativas: em 2012, os atuns representaram 66% do peso total e 48,2% do valor gerado. No entanto, a perda este ano nos atuns foi de 1,4 milhão de euros, o que representa apenas 27% da perda total.
Os restantes 40% das pescas são divididos por algumas dezenas de espécies (103 espécies tiveram registo de algum tipo de captura em 2013).  As espécies mais importantes, depois dos atuns, são o Peixão, o Chicharro e o Safio. Em termos de valor gerado, depois dos atuns o peixe mais importante é o Goraz. Por preço médio de venda, as espécies mais importantes são a Lagosta, que atinge os 27,8 euros por quilo, o Cavaco, com 21 euros, e a Amêijoa, com 15 euros. O Goraz é o peixe mais caro, com um preço médio de 11,6 euros por quilo.
Houve variações significativas quer ao nível do peso como do seu preço. Um aumento de 131% no total de capturas do Bonito, seguido do aumento de 43% do boca-negra, dão bem nota disso. Do mesmo modo, o preço médio do peixe também revela oscilações significativas de ano para ano.