ASTA avança com “nova empresa” para gerir o jogo e precisa de mais 10 M€

Hotel CasinoO Administrador Judicial Provisório do processo de insolvência da ASTA, Manuel Casimiro Bacalhau, convocou para ontem, no Hotel Bahia Palace, uma conferência de imprensa onde faria um “ponto da situação” sobre o negócio.
Segundo Manuel Bacalhau, a nova proposta, que “aguarda homologação do tribunal”, não prevê a venda de quaisquer imóveis, ao contrário do plano que tinha sido anunciado no início do ano.
Segundo afirmou, será criada uma nova empresa para explorar a área do jogo, enquanto que a ASTA irá manter-se responsável pela área hoteleira,
Aparentemente não haverá qualquer alteração do capital social da empresa. Este novo plano foi aprovado, segundo afirmou, por 99% dos credores “e aguarda agora a homologação do tribunal para que o projecto seja executado como inicialmente estava previsto”.
Esta nova empresa “será composta pelos mesmos accionistas da ASTA e eventualmente outro novo accionista que esteja apto para fazer o investimento”. No entanto “faltam 10 milhões de euros para concluir as unidades hoteleiras e o centro comercial” e “será criado um fundo que irá integrar a ASTA, e que irá contar com os investimentos dos bancos Banif e BCP”. Ou seja, serão estes bancos que deverão entrar com estes 10 milhões em falta.
A dívida da ASTA está neste momento nos 45 milhões de euros, mas não foram especificados os valores concretos dos bancos e dos pequenos credores. O plano de pagamento dos pequenos credores “mantém-se com o prazo inicialmente previsto, que é de 6 anos, a partir do momento que o tribunal homologue o plano”.
Quanto às declarações de José Mauel Bolieiro, Manuel Bacalhau afirmou-se “surpreendido, porque a câmara não pode reclamar uma propriedade que pertence ao governo e que por sua vez concessionou-a à ASTA”. E disse que a conclusão deste projecto (previsto para 2014) traz benefícios para a economia da região com a riqueza que irá trazer, em termos de emprego, mais turistas...