Escola do Mar dos Açores arranca no próximo ano

  • Imprimir

luis neto viveirosO Governo Regional anunciou ontem o arranque do projecto da Escola do Mar dos Açores em 2014, um “centro de formação” para os profissionais do sector na região, que têm qualificações médias baixas.
Segundo a agência Lusa, esta é uma “iniciativa âncora para o desenvolvimento das profissões do mar”, defendeu o secretário regional com a tutela da agricultura e pescas nos Açores, Neto Viveiros, no plenário do parlamento açoriano, na Horta, que está a debater os documentos orçamentais da região autónoma para 2014.
“Pretende-se que este centro de formação seja de excelência e contribua para suprimir a demanda de marítimos certificados no mercado regional, mas que também funcione como um pólo de atracção de públicos externos com interesse nas profissões do mar tradicionais e emergentes. Para além das pescas e da navegação comercial e portuária, a formação de operadores marítimo-turísticos é percebida como uma área com grande capacidade de atracção”, afirmou Neto Viveiros.
Durante o debate que se seguiu a esta intervenção, o deputado Luís Garcia, do PSD (na oposição), sublinhou que o número de pescadores nos Açores tem aumentado significativamente, havendo cada vez mais açorianos a procurar rendimento na pesca, provavelmente devido à crise.
Destacando que mais de metade dos pescadores açorianos têm apenas “a antiga quarta classe”, Luís Garcia insistiu na importância do reforço da aposta na qualificação.
Neto Viveiros acrescentou, em resposta, que para além do trabalho que será desenvolvido no âmbito da escola do mar, haverá em 2014 acções de formação em todas as ilhas promovidas pela Direcção Regional das Pescas.
Ainda em resposta a perguntas de deputados, mas desta vez do PS (José Ávila), o secretário regional justificou a diminuição do orçamento para as pescas em 2013 por estarem prestes a acabar “grandes obras”, como os portos de Rabo de Peixe (Ribeira Grande) e Povoação.
Neto Viveiros reiterou ainda a aposta em criar melhores condições de escoamento do pescado, assim como de maior volume de exportação, em cooperação com outros departamentos do Governo Regional e as associações do sector.
A nível da agricultura, sublinhou que o objectivo fundamental é aumentar “o rendimento da produção regional” e assim reduzir a dependência do exterior e aumentar as exportações.
O secretário regional disse que o executivo açoriano pretende “estimular, ainda mais, a entrada de jovens” no sector, no âmbito do novo Quadro Comunitário de Apoio (QCA), que arranca em 2014, depois da “reestruturação” e “modernização” das últimas décadas.
A este propósito, e em resposta ao PSD, garantiu que os pagamentos dos apoios à instalação de novos agricultores são feitos à medida que são aprovadas as candidaturas e solicitadas as verbas pelos beneficiários. Admitiu, no entanto, que há algumas candidaturas que já não têm cabimento no actual QCA, tendo o executivo açoriano questionado Bruxelas sobre a forma como se fará a transição para o próximo.
Na área do ambiente, Viveiros garantiu aos deputados a conclusão da rede de centros de processamento de resíduos dos Açores em 2014.