Fogo-de-artifício na passagem de ano será “evento âncora” na época baixa em Ponta Delgada

  • Imprimir

Fogo de artificioA Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada (CCIPD) fez um balanço positivo do fogo-de-artifício promovido por um grupo de empresários na noite de passagem de ano, em Ponta Delgada.
A associação empresarial pretende dar continuidade ao evento e fazer da iniciativa “um evento âncora na considerada época baixa em São Miguel”.
Na reunião realizada no último dia 9 de Janeiro, a direcção da organização, que assiste empresários de São Miguel e Santa Maria, decidiu já dar início, “com brevidade”, à preparação do evento, no final de 2014, “para que possa ser atempadamente divulgado e poder também ser incluído pelos agentes do sector do turismo nas suas ofertas promocionais de São Miguel no exterior”.
“Pretende-se que este evento constitua também um factor de dinamização na vertente interna, nomeadamente ao nível da restauração, através da criação de uma oferta direccionada sobretudo para turistas”, refere uma nota veiculada pela CCIPD.
No mesmo encontro, a associação empresarial fez também um balanço positivo da campanha levada a cabo junto do comércio tradicional de São Miguel e Santa Maria, na época de natal.
Houve um aumento de adesão na campanha, por parte das empresas, na ordem dos 47,5%, comparativemente a 2012. Além disso, duplicou o volume de senhas distribuídas aos consumidores, em relação ao ano anterior, “situando-se em cerca de 88 mil, que correspondem a fracções de 20 euros em compras”.
A CCIPD pretende realizar “brevemente” uma reunião com o sector do comércio, com o objectivo de “se proceder a uma avaliação mais exaustiva da campanha e, essencialmente, reflectir e preparar as iniciativas a desenvolver em termos de promoção e dinamização do comércio tradicional” em 2014.
Por outro lado, a organização empresarial salientou o “impacto muito positivo” das linhas de crédito criadas pelo Governo Regional para as empresas açorianas. No entanto, aponta o “aumento do período de carência” estabelecido  pelo executivo como uma das decisões políticas que “encontram muita dificuldade em materializar-se junto das instituições de crédito”.
A “procura elevada” da Linha de Crédito Açores Investe II “deve justificar o reforço da medida”, defende a  CCIPD.
Para a Câmara do Comércio, “é muito importante a existência de medidas públicas que contribuam para melhorar o financiamento para investimento e para tesouraria”.
Ainda na reunião, a associação empresarial decidiu realizar o Inquérito à Actividade Empresarial 2013 e perspectivas para 2014, à semelhança do que tem sido feito em anos anteriores, “enquanto instrumento importante para conhecer mais detalhadamente um conjunto de aspectos relativos à actividade das empresas no ano recentemente terminado, bem como avaliar o que perspectivam para o corrente ano”.