Porto da Praia da Vitória pode ser utilizado para transbordo de armas químicas da Síria

praia da vitóriaA administração norte-americana solicitou às autoridades portuguesas a utilização de estruturas portuárias para a operação de transbordo das armas químicas recolhidas na Síria que estão a bordo de um barco dinamarquês para um navio norte-americano, apurou o jornal Público.
Tal operação foi solicitada no âmbito da resolução 2118 adoptada por unanimidade pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas e teve a aprovação da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW).
O porto português em causa é o da Praia da Vitória, construído como apoio à base aérea das Lajes, pelo que Lisboa manteve já contactos com o Governo regional liderado pelo socialista Vasco Cordeiro, de acordo com o mesmo jornal.
O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, está também ao corrente da solicitação dos EUA. Contudo, ainda estão a ser analisados diversos factores de ordem técnica, ambiental e de segurança para ponderar a exequibilidade da operação.
Embora não esteja tomada uma decisão, o Público apurou que, para além dos Açores, Washington admite outra solução. O recurso a um porto italiano não especificado.

Ambientalistas não condenam transbordo
Os ambientalistas da ilha Terceira compreendem a eventual operação de transbordo de armas químicas que os Estados Unidos querem fazer no porto da Praia da Vitória.
Os ambientalistas da Terceira, em comunicado dirigido à Antena 1 Açores, explicam que se trata de uma missão de paz com o acordo das Nações Unidas.
Lembram, no entanto, que as armas químicas são sempre perigosas.