Mais de 5 mil desempregados açorianos em programas de ocupação temporária

  • Imprimir

centro emprego - desempregadosO número de “ocupados” nos Açores voltou a aumentar no mês de Dezembro, atingindo pela primeira vez a barreira dos 5 mil inscritos. Com mais 1,77%, existem neste momento 5.086 pessoas nestes programas, definidos pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional como “trabalhadores integrados em programas de emprego ou formação profissional, com exceção dos programas que visem a integração direta no mercado de trabalho”.
O seu peso equivale a 38,5% do número de inscritos como desempregados, o que significa que caso fossem contabilizados nessa categoria, o número de desempregados inscritos aumentaria 38,5%, atingindo um total de 18.294 casos. Ao todo, os centros de emprego têm 19.762 inscritos neste momento com pedidos de emprego.
Não há qualquer comparação com o que se passa no resto do país, onde o número até baixou e representa apenas 11,4% dos desempregados inscritos (os Açores representam 1,91% dos desempregados do país, mas 6,5% dos ocupados).
Não se pense que é propriamente algo comum, pois os dados dispararam no último ano: entre Dezembro de 2012 e 2013, o número de ocupados aumentou 192%, o que é praticamente um aumento para o triplo. Em 2012 havia apenas 1.738.
A explicação é simples: trata-se da grande aposta do Governo Regional para reduzir os dados do desemprego, que têm vindo a disparar no último ano, atingindo no 3º trimestre de 2013 um total de 21.545 pessoas, o que representa 17,7% da população activa regional – um valor que é superior aos 15,6% nacionais, ficando apenas abaixo dos 17,9% de Lisboa.
Não que as coisas tenham melhorado grande coisa neste ano. Entre Dezembro de 2012 e 2013, o número de desempregados inscritos nos Açores aumentou 15,4%, embora o número total de pedidos de emprego, onde se incluem os ocupados, aumentou 27,4%, de valores já historicamente altos.
Neste momento existem 19.387 pedidos de emprego nos Açores, um valor que também nunca tinha sido alcançado e que já abeira os 20 mil. S. Miguel é responsável por cerca de 66% do total de pedidos de emprego e por 67% dos ocupados.
Um dos sinais do alargamento dos programas ocupacionais é perceptível através do género. É que até Abril de 2012, os Açores seguiam a “normalidade”, ainda sentida no resto do país, dos programas de ocupação serem sobretudo uma estratégia para a manutenção de quadros superiores, em que predomina claramente o sexo feminino. Mas desde então o número de homens nos programas ocupacionais tem sido superior ao das mulheres, e neste momento o seu peso é já de 58,2% do total (no país é de apenas 41,5%).
Dos inscritos como desempregados, que por alguma razão não têm acesso aos programas ocupacionais, cerca de 69% estão inscritos há menos de um ano, o que tem sido uma característica regional – a nível nacional, esse valor baixa para os 53%.
Também há uma preponderância maior de jovens do que no país. Nos Açores, 47,3% dos inscritos como desempregados têm menos de 34 anos, e 19,3% têm menos de 25, o que é bastante diferente dos valores nacionais (34,4% de pessoas com menos de 34 anos e 12,9% com menos de 25 anos).