Fortes prejuízos das empresas em 2012

notasO número de empresas que apresentaram resultados negativos nos Açores no ano de 2012 cresceu cerca de 11,8%, o que é uma variação que quase duplica a nacional, que se ficou pelos 6,45%. Mesmo assim, o número de empresas com resultados negativos é ainda de 39,4% do total, enquanto que no país esse valor atinge os 44,12%. No entanto, o ritmo da degradação desse indicador é superior nos Açores do que no país: os Açores pioraram cerca de 7,5%, enquanto que o país se ficou pelos 6%, o que sugere que mais 1 ou 2 anos com resultados piores que o país, esse indicador poderá igualar-se. Em 2012, um total de 2.143 empresas declararam prejuízos.
As piores variações foram registadas no ex distrito da Horta, com um aumento do número de resultados negativos de 17,4%, seguindo-se Angra com 12,8% e Ponta Delgada com 10,1%. No final de 2012 Ponta Delgada tinha 40,5% das suas empresas com resultados negativos, a Horta com 38,2% e Angra com 37,7%.
Estes dados são preocupantes porque o número de empresas pela população é extremamente baixo, o que, em teoria, daria uma boa margem de manobra em termos de mercado. Enquanto que a nível nacional existe uma média de 1 empresa por cada 25 habitantes, nos Açores esse valor sobe quase para o dobro, com 45 habitantes por empresa. O valor mais elevado está no ex-distrido de Angra do Heroísmo, com 49 habitantes por empresa, seguindo-se Ponta Delgada com 44 e a Horta com 41.
Os prejuízos declarados também foram significativos: um total de 312 milhões de euros, o que representa uma média de 145.735 euros por empresa. Trata-se de um valor que é mesmo superior à média nacional, que foi de 135.645 euros. Em Ponta Delgada, onde existem 58% das empresas, os prejuízos atingiram mesmo os 179 milhões de euros, representando cerca de 73% do total regional. A Horta ficou-se por apenas 49 mil euros de prejuízo por empresa, enquanto que Angra atingiu os 124 mil euros.
O número de empresas açorianas, com base no número de declarações de IRC apresentadas, aumentou quase 4% no ano de 2012, depois de uma subida de 12,6% sentida no período 2010-2011. O número de empresas continua muito abaixo da taxa populacional, ficando-se por apenas 1,3% do total de declarações apresentadas no país. Em 2012 registaram-se 5.443 declarações de IRC.