Concurso para construção de dois ‘ferries’, prorrogado até 31 de outubro, já recebeu três propostas

O concurso para a construção de dois navios de transporte de passageiros e viaturas para operar nas ligações entre Faial, Pico e S. Jorge, nos Açores, hoje prorrogado até 31 de outubro, já recebeu três propostas de candidatos.
“Nove entidades levantaram o caderno de encargos e três já apresentaram propostas”, revelou à Lusa uma fonte ligada ao processo deste concurso.
A fonte salientou ainda que a prorrogação do prazo de entrega de propostas, sexta-feira publicada no Diário da República, foi originada pelo “pedido apresentado” por um dos potenciais concorrentes, que “alegou dificuldades na tradução do caderno de encargos”.
A Atlânticoline, empresa de capitais regionais responsável pelo transporte marítimo de passageiros entre as ilhas dos Açores, lançou em meados de setembro um concurso para a construção de dois ‘ferries’ que vão operar nas ligações entre as Ilhas do Triângulo.
Um dos navios tem capacidade para 333 passageiros e oito viaturas, enquanto o outro pode transportar 246 passageiros e 12 viaturas, medindo ambos 40 metros de comprimento.
O concurso tem um valor global de 18,72 milhões de euros, esperando a Atlânticoline que os navios possam ser entregues em agosto e outubro de 2013.
Este concurso foi lançado depois de o anterior ter sido encerrado em agosto na sequência da desistência do único concorrente que tinha sido convidado a apresentar proposta.
O concurso que agora decorre mantém as condições que suscitaram críticas dos estaleiros nacionais, que alegam não conseguir cumprir os requisitos necessários para concorrer.
A Associação das Indústrias Navais criticou as condições do concurso, frisando que inviabilizam a participação dos estaleiros nacionais, tendo a situação originado um pedido de intervenção dirigido pelo secretário de Estado da Defesa ao Governo dos Açores, no sentido de assegurar a participação dos estaleiros portugueses neste concurso.
Na resposta, o executivo regional reafirmou que os requisitos do concurso não inviabilizam a participação de estaleiros nacionais, lamentando que, em lugar de criticar, não se trabalhe para construir uma proposta vencedora.