AIPA apresenta Festival “O Mundo Aqui” em Novembro na cidade de Ponta Delgada

Graca-CastanhoA Directora Regional das Comunidades presidiu, ontem, à apresentação oficial da 4ª edição do festival “O Mundo Aqui”, que decorreu em Ponta Delgada. O festival, organizado pela AIPA, Associação dos Imigrantes nos Açores, decorre de 4 a 6 de Novembro nesta cidade micaelense.
Após ter congratulado os organizadores do festival pela sua grandiosidade em termos de qualidade e quantidade de acções, pela transversalidade, uma vez que oferece propostas para todas as idades e pela presença de um vasto número de países, Graça Castanho lembrou que “a Direcção Regional das Comunidades, ao apoiar iniciativas como “O Mundo Aqui” e actividades de associações e pessoas individuais que desenvolvem trabalho em prol das comunidades imigrantes, está a contribuir para a construção do presente e do futuro não só dos Açores, mas do mundo global que se quer diverso e multicultural, onde os valores da liberdade, democracia e respeito pela diferença devem imperar”.
Estabelecendo um paralelismo entre os emigrantes açorianos, radicados no estrangeiro, e os imigrantes a viver nos Açores, Graça Castanho referiu que ”apesar das dificuldades do momento histórico, quer uns quer outros continuam a lutar pela integração, pelo direito ao trabalho e à felicidade, nunca cruzando os braços perante as adversidades da vida. É esta capacidade de contornar obstáculos que melhor caracteriza os imigrantes pelo mundo fora. São, de facto, seres humanos determinados, com objectivos na vida e prioridades bem definidas”.
O Festival Mundo Aqui, apoiado pela Direcção Regional das Comunidades, é, sem dúvida, um momento privilegiado de “mostrar ao mundo a grandiosidade dos Açores, um arquipélago que acolhe, com qualidade e segurança, indivíduos de 86 nacionalidades diferentes”, acrescentou a Directora Regional das Comunidades.
Graça Castanho informou ainda que a Direcção Regional das Comunidades, nas últimas décadas, tem-se colocado ao lado das populações migrantes, contribuindo com os seus apoios, a realização de acções no terreno e atendimento ao público imigrante, em todas as ilhas dos Açores, para o bem-estar e a integração desta população que muito honra todos os açorianos e açorianas. “Os Açores de hoje nada têm a ver com a homogeneidade do passado. Hoje somos parte integrante do mundo porque o mundo está aqui representado”, concluiu.