Executivo reformula apoios à comunicação social privada, mas PSD quer mais

jornais1A Assembleia Legislativa Regional dos Açores aprovou terça-feira, por maioria, uma proposta do Governo Regional que “reforça os apoios a conceder aos órgãos de comunicação social privados na região, atendendo às dificuldades financeiras que atravessam”.
Nesse sentido, foi aprovada uma alteração ao programa PROMEDIA, que cria um apoio especial aos órgãos de comunicação social privados de 20 por cento sobre o consumo de energia eléctrica e de comunicações, para ajudar a minimizar as despesas das rádios e dos jornais nas quatro maiores ilhas do arquipélago, com uma majoração nas restantes.
André Bradford, secretário regional da Presidência, salientou no plenário que estes apoios vão ajudar a resolver os problemas de “liquidez” das empresas que gerem órgãos de comunicação social, evitando também eventuais cortes nos postos de trabalho.
Clélio Meneses, do PSD, defendeu, no entanto, que estes apoios “são insuficientes”, referindo ainda que os apoios ao sector estão a ser pagos com muito atraso, criando “dificuldades” às empresas, algumas das quais já faliram ou despediram trabalhadores.
“Apesar disso, o governo vem aqui propor uma alteração que reforça os apoios ao PROMEDIA em 250 euros mensais”, frisou Clélio Menezes, para quem estes apoios são manifestamente “insuficientes”.
André Bradford defendeu a posição do Executivo, salientando que o governo não se deve substituir às empresas na gestão e financiamento dos órgãos de comunicação social.
“O governo paga o papel, paga o pessoal, paga os meios técnicos de produção, paga a energia e paga as comunicações, então o governo é dono dos jornais?”, questionou, ironizando, André Bradford.