TSD/Açores “mobilizados face ao poder estafado de Carlos César” afirma Rui Ramos

O presidente dos TSD/Açores considerou sábado à tarde que “o poder socialista de Carlos César está estafado na região”, onde “a manutenção desse poder é o único objectivo do actual governo”, protelando assim ”as necessidades claras de um país e de um arquipélago onde a crise, especialmente a do desemprego, não é de ontem, agravando-se desde 2003. Será na promoção do emprego que se poderão encontrar novas soluções, e só com o PSD no poder isso vai acontecer”, referiu.
Rui Ramos falava na abertura do IV congresso regional dos trabalhadores social-democratas açorianos, a decorrer em Angra do Heroísmo, onde reforçou “o espírito de união do partido e de todos os seus quadros e valências para a necessária mudança de rumo”, reforçando as críticas “ao falhanço da governação socialista em termos de emprego”, afinal “a taxa de desemprego cresce dia após dia, culminando nos actuais 9,7%, e tendo quadriplicado em oito anos”, frisou.
“É a marca falhada da propaganda das políticas inovadoras, cujos resultados bem conhecemos, pois mais do que intenções são hoje necessárias políticas sustentadas, em que se privilegiem os postos de trabalho, a sua manutenção e criação” defendeu, lembrando que “há mais açorianos sem emprego, há menos turistas a visitar-nos, compram-se menos carros e constroem-se menos casas. É este o nosso cenário real”, disse Rui Ramos.
“Não obstante a propaganda dos milhões, a verdade é que há cada vez mais açorianos a caírem em situação de pobreza. Pobreza, essa, que cresce, enquanto as classes médias definham, numa região onde a transparência é uma miragem e onde o líder do seu governo, Carlos César, insiste na desorçamentação das despesas, proliferando as clientelas das sociedades anónimas, para satisfazer uns e calar outros, na busca incessante desse poder já estafado”, criticou.
A sessão contou ainda com a participação do secretário-geral dos TSD nacionais, Pedro Roque, que destacou a vontade “de um novo ciclo político nos Açores já em 2012, à semelhança do verificado a nível nacional”, considerando que a reunião de Angra significa também “a maturidade plena dos TSD/Açores”, em tempos “que podem ser de mudança para a região, como o estão a ser para o país”, sublinhou.
Apresentada foi a moção de estratégia “Todos Convocados”, da autoria de Joaquim Machado, que foi debatida e será votada ao início da noite.
Ao início da tarde de domingo, decorreu o encerramento do congresso com o novo presidente dos TSD/Açores, bem como da presidente do PSD/Açores, Berta Cabral.