Açorianos prestam hoje homenagem aos seus entes queridos

CemitérioCelebra-se hoje a festa do dia de Todos-os-Santos que serve para honrar todos os santos e mártires, conhecidos ou não. Esta festa é celebrada pelos crentes de muitas das igrejas da religião cristã e é seguida pelo dia dos fiéis defuntos que se assinala amanhã, 2 de Novembro.

Apesar do dia de hoje ser dedicado a todos os Santos, e só amanhã ser dia de finados, o certo é que a maioria das pessoas aproveita a data, talvez por ser feriado, para lembrar os familiares e amigos que já partiram deste mundo para a eternidade, sendo marcado pela ida de milhares de açorianos aos cemitérios, que nesta altura estão especialmente enfeitados.

Em declarações ao Diário dos Açores o padre Norberto Brum recorda que a “Igreja Católica, a 01 de Novembro, celebra numa mesma e única celebração, de Todos os Santos, a multidão imensa de homens e mulheres, que vivem a plenitude de Deus, na glória da eternidade. É o dia da Igreja Triunfante”, refere, acrescentando, a este propósito, que na Constituição Litúrgica nº 104 e 11)\ lê-se que «Os santos, tendo atingido pela graça de Deus a perfeição e alcançado a salvação eterna, cantam a Deus no Céu, o louvor perfeito e intercedem por nós. A Igreja proclama o mistério pascal realizado na paixão e glorificação deles com Cristo propõe aos fiéis os seus exemplos, que conduzem os homens ao Pai por Cristo: e implora pelos seus méritos, as bênçãos de Deus».

O sacerdote ressalva que “ao celebrar Todos os Santos, a Igreja convida os seus filhos a viverem também a santidade como ideal de vida, pois a santidade é algo que se vive no aqui e no agora da vida. Mais que um processo canónico de beatificação ou canonização, a santidade é a vida de Deus vivida na vida dos homens”, adverte, sugerindo que “esta Solenidade faz a ponte entre o Céu e a Terra, e desafia-nos a viver na terra com os olhos postos no Céu”.

Para o padre Norberto Brum, “é importante recordar os Santos na medida em que estes constituem para nós desafio à própria santidade, à vivência do essencial do cristianismo que é e vivência do Mandamento Novo do amor”.

Além do carácter espiritual, estes dias são também aguardados pelos vendedores de flores, velas e santos, que vêem o seu lucro aumentar, devido à devoção dos católicos que aproveitam a data para depositarem flores nas campas dos entes queridos.

A título de curiosidade fique a saber que a Igreja Ortodoxa celebra esta festividade no primeiro Domingo depois do Pentecostes, fechando a época litúrgica da Páscoa, tal como a Igreja Católica Oriental. Já a Igreja Anglicana também celebra o dia de Todos-os-Santos com o mesmo significado que nas Igrejas Católica e Ortodoxa. Na Igreja Luterana, o dia é celebrado principalmente para lembrar que todas as pessoas baptizadas são santas e também aquelas pessoas que faleceram no ano que passou, pelo que o significado da celebração também é quase idêntico ao de outras igrejas cristãs.

Enquanto em Portugal este dia tem uma conotação mais triste e saudosa, por exemplo, no México é uma festa bastante divertida.

Por: Olivéria Santos