Presidente do IROA desafia Jorge Rita a fazer mais pelos agricultores micaelenses

  • Imprimir

vacas pastosO Presidente do IROA S.A., Ricardo Silva, lançou ontem um desafio aos cerca de 50 agricultores de S. Miguel que ainda não ligaram as suas explorações à rede eléctrica para que o façam, atendendo aos benefícios que daí resultam ao nível dos rendimentos, destacando que existem apoios de 50% para este efeito, através da portaria do PROAMAF.

“Trata-se, de facto, de uma situação incompreensível. Julgo que seria importante o Presidente da Associação Agrícola de São Miguel fazer mais para convencer os agricultores a terem electricidade nas suas explorações e não se ficar só pelas reivindicações de algo que já está realizado, na sequência de investimentos públicos de dois milhões de euros”, afirmou Ricardo Silva, que falava após ter visitado obras de electrificação em curso no concelho de Ponta Delgada.

Ricardo Silva destacou que ao nível da electrificação, um elemento de modernidade das explorações, a situação está “praticamente debelada nos Açores”, acrescentando que, ainda assim, sempre que surgem solicitações por parte dos lavradores, o IROA procura responder positivamente, mesmo extravasando a sua zona de actuação.

“O que se devia reconhecer é que a acção do IROA vai muito para além dos Perímetros de Ordenamento Agrário, que são zonas de privilégio em termos de investimentos agrícola e que foram criados em quase todas as ilhas com este fim”, frisou, considerando injusto que se fale em desigualdade geográfica de investimento.

Os investimentos em curso nos Açores e perspectivados para o próximo ano ao nível da electrificação de explorações, de caminhos agrícolas e da rede de abastecimento de água são essenciais para continuar a melhorar as condições de trabalho dos agricultores, encurtar distâncias e reduzir custos associados ao sector.

“Pese embora o salto qualitativo que a Região já deu nos últimos anos, vamos continuar em 2018 a investir nas infra-estruturas agrícolas, contribuindo para melhorar o rendimento dos agricultores”, assegurou Ricardo Silva, apontando, como exemplo, que a rede de abastecimento de água à lavoura será reforçada em mais 2.010 m3 e serão feitas intervenções em 15,4 quilómetros de caminhos nos Açores.

A proposta de Plano e Orçamento dos Açores para 2018 prevê um reforço do investimento destinado às infra-estruturas agrícolas, com um crescimento de 135% na dotação orçamental em termos de Orçamento regional, com intervenções em todas as ilhas.

Ricardo Silva salientou que a IROA tem actualmente a seu cargo uma rede de caminhos de 314 quilómetros, que beneficiam cerca de 5.600 explorações.

“Com as obras previstas para o próximo ano ao nível do abastecimento de água, o arquipélago ficará com uma capacidade de armazenamento de quase 500 milhões de m3”, frisou.

No início de Novembro, a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, através do IROA S.A., publicou em Jornal Oficial um concurso público no valor de cerca de 300 mil euros para construção de equipamento e ligação à rede existente do furo do Cabeço Pequeno, na ilha do Pico.

A empreitada prevê a construção de edifício de apoio ao furo, o fornecimento e montagem de equipamento electromecânico, a construção da conduta de ligação à rede existente e a execução do ramal de média tensão e postos de transformação.

Em matéria de abastecimento de água às explorações agrícolas na ilha do Pico, está em curso a intervenção na Lagoa do Paúl, orçada em 173 mil euros, que consiste na limpeza e impermeabilização da lagoa, bem como na construção de um posto de abastecimento de água aos agricultores, que vai beneficiar uma área de 300 hectares e 40 explorações agrícolas.

Devido à alteração do perfil desta lagoa, prevê-se que, quando terminar a obra, fique com uma capacidade para armazenar entre 5 a 6 mil metros cúbicos de água.

No próximo ano, o Governo Regional tem prevista a construção de dois reservatórios na freguesia da Prainha, no concelho de São Roque do Pico, num valor global de quase 71 mil euros.